Blog comprometido com as mais diversas lutas sociais do planeta, particularmente, o que diz respeito a luta pelo socialismo, a ampliação do uso dos software livre Gnu/Linux na busca pela expansão de nossa inteligência coletiva e da cultura livre, além da batalha pela melhoria das condições de vida da população brasileira, sobretudo, do povo negro.

terça-feira, 27 de março de 2007

As desculpas do sr. Blair ao povo africano


Num ato solene, que lembrava os 200 anos do fim do tráfico de escravos em terras e mares ingleses e algumas décadas depois, mundiais, na Abadia de Westminster, em Londres, o primeiro ministro britânico, Tony Blair e a Rainha Elizabeth II apresentaram-se para pedir desculpas pelo mal causado à África e aos africanos. Assim como, o Papa João Paulo II que anos atrás desculpou-se pela participação da Igreja Católica como agente do colonialismo e do imperialismo europeu durante séculos, eles esperavam uma cerimônia tranquila onde pudessem demonstrar sem maiores compromissos e dificuldades o seu horror ao holocausto africano, executado por seus antepassados.
Com a abadia lotada, eis que surge do meio da multidão, inesperadamente, um manifestante, um descendente das peças escravizadas, quiçá uma vítima, Toyin Abgetu, de 39 anos, nervoso, emocionado, dirige-se a rainha e exige dela uma declaração de repúdio ao tráfico. Logo, Abgetu, foi cercado pelos seguranças e retirado da igreja sem que ouvisse os obséquios reais. Seria algo fantástico se a rainha impedisse a sua retirada forçada e declarasse ali a sua solidariedade com o povo africano. Contudo, não foi isso que ocorreu.
Foram séculos de exploração européia, começaram no século XV com a expansão marítima, que avançou pelo continente americano adentro, mas que deixou intocado praticamente o solo africano. O que interessava ao europeu então, eram as peças trazidas da África nos navios negreiros. Assim, os europeus arranhavam as costas africanas com feitorias e comerciavam com reinos e impérios costeiros africanos em troca do "ouro negro" tão valioso para o desenvolvimento da produção colonial na América.
No século XIX, esse cenário se modifica com a necessidade produtos agrícolas, matérias-primas, mercados consumidores e mercado para investir um capital imobilizado pelas crises capitalistas e a Europa volta-se para a formação de impérios coloniais em África e Ásia. A África chega a ser dividida pelo imperialismo europeu nos salões dos palácios alemães. Sem que os africanos soubessem seus destinos já estavam traçados e se concretizaram na chegada dos exércitos imperialistas. A Inglaterra foi a maior beneficiada, formou um imperio vastíssimo, com territórios na África, Ásia, América e Oceania. Em 1897 comemorou o jubileu de diamante da Rainha Vitória na capital londrina esperava-se que fosse visto por milhares de pessoas. Festejava-se um império com paralelo apenas no Império Romano.
Hoje estamos diante de um pedido de desculpas, mas será que podemos confiar nele, ou será que isso não se repetirá daqui a 200 anos com outro primeiro-ministro só que em relação ao povo iraquiano?

Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.5 Brazil License.