Blog comprometido com as mais diversas lutas sociais do planeta, particularmente, o que diz respeito a luta pelo socialismo, a ampliação do uso dos software livre Gnu/Linux na busca pela expansão de nossa inteligência coletiva e da cultura livre, além da batalha pela melhoria das condições de vida da população brasileira, sobretudo, do povo negro.

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

II Seminário Inserção e Realidade

II SEMINÁRIO INSERÇÃO E REALIDADE
Dias 21 e 22 de novembro de 2007, no Teatro do SESC da Tijuca
Entrada franca
Será aberto no dia 21 de novembro de 2007, às 10h, com a presença do ator e estudioso da
questão racial, Milton Gonçalves, do compositor, pesquisador e escritor Nei Lopes e do Diretor do SESC, Bruno Villas Boas, o II Seminário Inserção e Realidade no Teatro do Sesc daTijuca, Rua Barão de Mesquita, 539. A entrada é franca e as inscrições podem ser feitas. O Seminário teve grande repercussão no ano passado e será realizado durante dois dias (21 e 22 de novembro) dentro do II Festival de Música, Dança e Cultura Afro-Brasileiras patrocinado pela Petrobrás, apoiado pelo SESC, e produzido pela ND Comunicação. Pesquisadores, jornalistas e personalidades ligadas à cultura afro e o público estarão juntos – em cinco mesas-redondas – debatendo e promovendo a história e a realidade dos cidadãos afro-descendentes em nossa sociedade.


PROGRAMA:
DIA 21/11, QUARTA-FEIRA
▪ Às 10h, Abertura do II Seminário Inserção e Realidade com a presença da Ministra Matilde Ribeiro, Bruno Villas Boas (representante do SESC) e Eliane Costa (representante da Petrobras)

▪ Às 11h, 1a Mesa-redonda: Midia - Inserção de artistas negros e profissionais de comunicação
Participação: Jorge Coutinho (Presidente do SATED) e Tatiana Tibúrcio (atriz)
Ementa: A escassez e desigualdade de oportunidades para negros X brancos na mídia e em todas as artes, especialmente no cinema, na televisão e na publicidade. O preconceito e o racismo explícitos ou velados na relação ator/personagem e nas campanhas publicitárias; a discriminação do jornalista negro na grande mídia, especialmente a eletrônica. Preconceitos estéticos como determinantes da manutenção de estereótipos racistas, interrompendo carreiras promissoras, produzindo marginalidade e alimentando o desemprego.

▪ Às 14h, 2a Mesa-redonda: Violência Social e Racismo
Participantes: Coronel Jorge Silva (advogado e Doutor em Ciências Sociais), Alba Zaluar
(antropóloga e professora da UERJ) e José Moreira Pinto (psicólogo)
Ementa: A discriminação racial na origem da violência social e da criminalidade. A impunidade e os instrumentos de punição contra o racismo: eficiência em que direção? Crime organizado, tráfico de drogas e racismo: mitos e verdades sobre um importante tripé da violência no Brasil.
O dever e o poder da polícia na defesa da segurança pública X sua real atuação e impacto de imagem sobre a sociedade civil. A estética do medo e o papel da mídia na batalha contra o racismo e a violência social.

DIA 22/11, QUINTA-FEIRA
▪ Às 10h, 3a Mesa-redonda: A Mulher Negra e os Preconceitos
Participantes: Edialeda Nascimento (médica), Lucia Hipólito (cientista política), Wania Sant`Anna (historiadora) e Jurema Werneck (médica, coordenadora da ONG Criola).
Ementa: Das tarefas pesadas afeitas às mulheres negras cativas, o que e quanto mudou da
Escravidão até a Abolição? A violência doméstica, o subemprego, saúde, maternidade e a rendição às formas estereotipadas da sexualidade feminina como apelo à inserção social;
obstáculos à inserção e ascensão das mulheres negras no mercado de trabalho. Mulheres
negras como agentes de transformação, sua presença e contribuição acolhidas como um bem da humanidade. A distância entre as políticas institucionais e o cotidiano das mulheres.

▪ Às 11h30m, 4a Mesa-redonda: Educação e Exclusão
Participantes: José Vicente (Universidade Palmares – SP) e José Luis Petrucelli (pesquisador e cientista social do IBGE)
Ementa: Avanços e retrocessos na luta negra pelo direito ao conhecimento, desde o ensino fundamental à universidade e capacitação para o trabalho; a importância e adoção da História da África e da cultura afro-brasileira no currículo escolar obrigatório. A contribuição das pesquisas estatísticas na detecção dos padrões de discriminação que impedem o convívio inter-étnico justo, equilibrado e eqüitativo. A universidade como símbolo da vitória e da luta continuada contra a injustiça, a pressão a intolerância e a discriminação contra o negro.

▪ Às 14h30m, 5a Mesa-redonda: Religião: Tradição e modernidade
Participantes: Nei Lopes (escritor e compositor), Mãe Beata de Iemanjá (babalorixá), Muniz Sodré (escritor e professor), Pastor Marco Davi de Oliveira (fundador da ONG Simeão/Niger e Coordenador do Fórum de Lideranças Negras Evangélicas).
Ementa: O papel e o poder dos movimentos e seitas religiosas na luta contra o racismo e a
exclusão social. Espiritualidade, conhecimento e cidadania no cotidiano dos terreiros: aorganização social das casas de santo; a preservação da cultura oral, saúde e valorização da natureza como fundamentos religiosos. A migração dos negros para religiões cristãs evangélicas; o poder religioso e econômico como mecanismo de controle e fomento do sectarismo. O racismo e a intolerância nas organizações religiosas. O papel do Estado no âmbito da assistência social.
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.5 Brazil License.