Blog comprometido com as mais diversas lutas sociais do planeta, particularmente, o que diz respeito a luta pelo socialismo, a ampliação do uso dos software livre Gnu/Linux na busca pela expansão de nossa inteligência coletiva e da cultura livre, além da batalha pela melhoria das condições de vida da população brasileira, sobretudo, do povo negro.

terça-feira, 29 de abril de 2008

Big Linux + Edubuntu - Uma Excelente Alternativa Livre para as Escolas

Cada vez mais o Linux vem sendo utilizado no setor de educação, como uma solução flexível (permite diversas personalizações e adaptações) e o custo nulo com licenças, tanto em colégios, programas de inclusão digital, etc. Mas, um dos grandes questionamentos é: como transformar ou fazer para instalar um ótimo ambiente educacional baseado em Linux?

Pensando nisso, o usuário "Filipo da Silva Tardim" publicou no site Viva o Linux um artigo interessante chamado "Big Linux + Edubuntu - Uma Excelente Alternativa Livre para as Escolas". Dê uma olhada na descrição:

"Venho com esse artigo compartilhar algumas soluções de software educacional livre, de modo que os professores ou quem quer que tenha interesse, possa ter uma espécie de "guia de referência" para a instalação e utilização de softwares livres voltados à educação."" E um trecho (introdução):

"Sou professor de Informática numa escola pública e há algum tempo venho procurando uma alternativa livre aos softwares proprietários presentes no mercado, uma vez que estes gerariam um custo muito elevado para o Laboratório, tanto com licenças do Sistema Operacional Windows e do pacote Office, quanto para a compra de outros softwares, além do fato das máquinas já serem um pouco defasadas e não suportarem softwares mais atuais, necessitando assim a princípio um investimento em hardware, não em softwares, sendo que nem a primeira conseguimos dar conta.

Depois de um período de experiência pessoal, em contato com vários Sistemas Linux (Ubuntu, Fedora, Kurumin, etc) e após instalar vários programas e ambientes gráficos (KDE, Gnome, etc), considerei o Big Linux como sendo o Sistema Operacional ideal para a grande maioria dos professores que não possuem tempo para estudar o Linux a fundo e conhecer seus recursos avançados. "
Maiores informações nos links:
http://www.guiadohardware.net/noticias/2008-04/4816076A.html
http://www.vivaolinux.com.br/artigos/verArtigo.php?codigo=8114

domingo, 27 de abril de 2008

Revista Veja, a fadinha dos neocons brasileiros

Já há alguns anos tomei ojeriza a revista Veja. De vez em quando ainda recebo propostas de assinatura, acompanhadas de alguns exemplares, enviados gratuitamente pela Abril, e que são, prazeirozamente, jogados no lixo. Afinal não devemos deixar que este poço de sandices, vilanias e aberrações possa causar maior mal do que o que já provoca. Para o nosso bem-estar devemos todos fazer o mesmo.
Há algum tempo o jornalista Luis Nassif vem escrevendo um dossiê com matérias sobre o tal semanário, demonstrando o deserviço que este "pasquim", que me perdoem Ziraldo e companhia, de péssima qualidade presta a sociedade brasileira.
Acesse os sites abaixo e veja do que a Veja é capaz.

http://luis.nassif.googlepages.com/home
http://desempregozero.org/2008/02/17/batalha-nassifveja-a-grande-imprensa-na-defensiva/

sexta-feira, 25 de abril de 2008

Quilombolas divulgam nota sobre visita de ministro à Ilha da Marambaia

No dia 7 de abril, à tarde, um oficial da Marinha comunicou a comunidade que o Ministro da Seppir Edson Santos viria à Ilha da Marambaia no dia 8 às 9 horas da manhã. Porém a reunião só começou às 11 horas, depois que o ministro visitou a ilha acompanhado dos militares.
A reunião foi marcada na Igreja e contou com a presença de representante da Marinha. Como fomos avisados com tão pouca antecedência, não houve muito tempo para reunir a comunidade. Na reunião compareceu apenas uma pequena parcela (cerca de 40 pessoas). Edson Santos saudou a comunidade e passou a palavra para a Vânia, presidente da ARQIMAR. Ela perguntou logo qual era o objetivo da visita e qual era a posição do governo em relação à Marambaia.
Edson Santos respondeu que seria impossível titular o território que queremos, que foi determinado no Relatório do Incra. Ele afirmou que cada família teria titulada a área em que vivia. E essa terra de moradia seria ocupada por uma concessão de uso.
A comunidade quilombola da Ilha da Marambaia luta para ter o direito à propriedade coletiva do território que ocupa,segundo o artigo 68 da Constituição Federal, e não pela posse individual. Isso vai contra a nossa tradição. As pedras, a mata, as nascentes são parte do nosso modo de vida e, de acordo com o direito das comunidades tradicionais, não podem ser excluídos de nosso território.
Achamos estranho que o Ministro não tenha entregue nenhum documento com essas posições. Queremos garantir nossos direitos e queremos saber se a posição do Ministro é realmente a do governo ou a da Marinha. Por isso esperamos que o Ministro Edson Santos entregue um documento oficial com o conteúdo de sua fala do dia 8 de abril para que a comunidade tome as devidas providências.

Rio de Janeiro, 10 de abril de 2008

Vânia Guerra

ARQIMAR - Associação de Remanescentes de Quilombo da Ilha da Marambaia

Aimé Césaire, um nome para não ser esquecido


Com o pranto dos martiniquenses e com o respeito do mundo, baixou à sepultura, no domingo, 20 de abril, em Fort-de-France, na Martinica, pequena ilha das Antilhas, o poeta e escritor Aimé Césaire, de 94 anos, um dos pais da "Negritude", movimento intelectual negro-africano nascido na década de 30 do século passado. Aimé Césaire é um nome para não ser esquecido. A Negritude que ele criou com o senegalês Léopold Sédar Senghor, o guianense Léon-Gontran Damas e outros jovens de terras colonizadas pelos franceses deixou os limites da literatura e se expandiu pela política.
" A Negritude mostrava que os jovens negros que estudavam em Paris escreviam em francês, mas refletiam a triste realidade da terra natal "

Foi a afirmação do "eu negro". No dizer do sociólogo brasileiro Clóvis Moura, ele também envolvido pela Negritude, "ela objetivava desalienar não apenas as populações negras, mas todos aqueles estratos populacionais que, de uma maneira ou de outra, se sentiam oprimidos e marginalizados pelo sistema dominante em qualquer parte".
A Negritude mostrava que os jovens negros que estudavam em Paris escreviam e poetavam em francês, mas refletiam a triste realidade da terra natal, tão distante na África Ocidental ou na América. Segundo o historiador negro do Alto Volta Joseph Kizer Bo, "um dos aspectos fundamentais da Negritude é a afirmação em si, após a longa noite de alienação, como aquele que sai de um pesadelo e apalpa o corpo todo para se reconhecer a si próprio, como o prisioneiro libertado que exclama bem alto: 'estou livre!', embora ninguém lhe pergunte nada".
Como poesia, a Negritude usou a linguagem do surrealismo e teve em André Breton o seu mestre inspirador. Como o poeta francês, os jovens literatos negros levaram para o domínio da arte o inconsciente, a fantasia e o sonho. Breton proclamou: "em matéria de revolta, antepassados é coisa que não falta a ninguém". Aimé Césaire afirmou em seus versos: "minha negritude não é uma gota d'água morta / sobre o óleo morto da terra / minha negritude também não é uma torre ou uma catedral / ela mergulha na carne vermelha do solo / ela mergulha na carne ardente do céu".
" A Negritude foi buscar inspiração poética no surrealismo de Breton, mas deve sua projeção mundial ao ativismo político e à crítica do filósofo e escritor Sartre "

Se a Negritude foi buscar inspiração poética no surrealismo de Breton, ela deve sua projeção mundial ao ativismo político e à crítica do filósofo e escritor Jean-Paul Sartre. A percepção anti-colonialista de Sartre se expressou claramente quando ele prefaciou, em 1948, a antologia da nova poesia negra e malgaxe de língua francesa ("Anthologie de la nouvelle poésie nègre et malgaxe de langue français"): "eis aqui homens negros em pé que nos olham (...) Hoje, esses homens negros nos olham e nosso olhar entra em nossos olhos; tochas negras, por sua vez, clareiam o mundo e nossas cabeças brancas não passam de pequenos lampiões balançados pelo vento".
O prefácio de Jean-Paul Sartre foi um autêntico passaporte diplomático para que a Negritude cruzasse oceanos para emocionar novas gerações de negros e brancos que viam e criticavam o mundo pela ótica terceiro-mundista e anti-colonialista. No Brasil, o poeta e ator Abdias do Nascimento criou e dirigiu o Teatro Experimental do Negro e o jornal "Quilombo", que encenou e publicou, dos anos 40 aos anos 60, dramas e mensagens da Negritude. Era uma forma de organizar os negros brasileiros, fossem eles da nascente classe média ou do operariado.
Outro poeta, Solano Trindade, também deu vida à Negritude, cantando-a ora como uma sofrida balada amorosa: "É preciso fugir / de todo amor que faz sofrer / é preciso fugir do amor.../ Talvez a chuva lá fora faça bem / talvez o frio da noite /seja como alguém...". Ou com ardor e ira incontida: "Ah! quantas caras tristes / querendo chegar / em algum destino / em algum lugar / Trem sujo da Leopoldina / de novo a correr / de novo a dizer / tem gente com fome / tem gente com fome / tem gente com fome...".
Léopold Sédar Senghor e Léon-Gontran Damas se foram. Há pouco, em Fort-de-France, foi-se Aimé Césaire. A Negritude, a revolução do olhar que encantou Jean-Paul Sartre, também vai saindo de cena. Chegou a vez dos novos poetas e escritores da "Crioulidade". E com eles no palco literário uma pergunta se impõe: seria Césaire um "anti-crioulo"? Não, respondem eles. O mestre foi um ante-crioulo. A Negritude cesairiana abriu passagem para a consciência de uma Antilhanidade e de uma Africanidade que vieram para ficar.
" Aimé Césaire recebeu honras de Estado, privilégio só concedido a escritores como Victor Hugo, Paul Valéry e Sidonie Gabrielle Colette "

Na mesma Paris, berço da Negritude nos anos 30, escritores e poetas como Patrick Chamoiseau e Giséle Pineau lançaram um ensaio coletivo, na verdade um livro-manifesto, o "Elogio da Crioulidade" ("Eloge de la Creólíté").Bradam eles: "nem europeus, africanos ou asiáticos. Nós nos proclamamos crioulos!". Os que chegaram há pouco sabem bem que Césaire, Senghor e Damas repensaram o papel da cultura francesa em suas próprias identidades e denunciaram a discriminação e a marginalidade social em que viviam.
No Brasil, a Negritude transformada em versos candentes por Solano Trindade também se foi com a morte do poeta, em 1974. Mas outros ocuparam o seu lugar, como a baiana Shirley Pimentel de Souza: "As 'pragas devastadoras' invadiram a Diáspora, / e embranqueceram nossa cultura / transformaram em vovós e vovôs, / nossas iaiás e ioiôs...".
Em 2005, Aimé Césaire se recusou a encontrar o então ministro do Interior da França, Nicolas Sarkozy, porque o partido do político tendia a apoiar projeto de lei que atribuía legado positivo ao colonialismo francês. A lei não foi sancionada. Em 2008, Nicolas Sarkozy, como presidente da França, foi a Fort-de-France para assistir ao sepultamento do poeta. E Aimé Césaire recebeu honras de Estado, privilégio só concedido a escritores como Victor Hugo, Paul Valéry e Sidonie Gabrielle Colette.
Eloy dos Santos é jornalista

Sabotagem e Violência da Igreja Universal na Alerj!!!

Publico este email na íntegra para que nós tomemos consciência e nos organizemos contra a intolerância religiosa. Esta é uma prática constante não só da Igreja Universal, mas de várias denominações religiosas evangélicas. Devemos tomar o cuidado de não generalizar, contudo a reação contra estes "vendilhões do templo" é um dos caminhos fundamentais para o alargamento da democracia brasileira. Infelizmente, o discurso produzido por estes senhores nos aproxima de um caminho perigoso, e que já percorremos, ou seja, a senda do autoritarismo, do fascismo e da ditadura.

Os acontecimentos de ontem na Alerj, por ocasião da Audiência Pública que deveria ter contado com a presença de autoridades como o Secretário de Segurança, José Mariano Beltrame e o Procurador Geral da Justiça (Ministério Público), Marfan Vieira, são o resultado da sabotagem promovida pela Igreja Universal.

Vamos a um resumo, passo a passo:

1 - No dia seguinte após as publicações do jornal Extra denunciando as perseguições dos traficantes aos terreiros, o deputado Átila Nunes pede IMEDIATAMENTE ( dia 18 de abril) a convocação de audiência pública à Comissão do Combate à Discriminação da Assembléia
Legislativa

2 - A presidente da Comissão do Combate á Discriminação da Alerj é uma deputada eleita pela igreja Universal (Beatriz Santos)

3 - A deputada tenta então, de todos os modos, evitar a convocação da audiência pública convocada pelo nosso irmão Átila.

4 - Pressionada pelos terreiros e entidades dos cultos afro-brasileiros, a deputada da Igreja Universal convoca apenas um simples bate-papo dos membros da Comissão de Combate à Discriminação - E NÃO UMA AUDIÊNCIA PÚBLICA COM AUTORIDADES, conforme havia sido solicitado.

5 - Interpelada nessa reunião por Átila Nunes que denunciou que ela não queria realizar a audiência pública porque era da Igreja Universal, a deputada recebeu críticas de todos os demais deputados e lideranças umbandistas e candomblecistas, o que fez com que o
deputado Jorge Picciani, presidente da Alerj, interviesse e exigisse que ela convocasse a audiência com a presença das autoridades.

6 - A audiência pública foi 'empurrada com a barriga' pela deputada da Igreja Universal para o dia 14 de abril (quase um mes depois), ficando ela, a deputada, encarregada de convocar as autoridades.

7 - Preocupados com uma possível demora na realização da audiência pública (o que de fato aconteceu), o deputado Átila Nunes e o vereador Átila Nunes Neto, entregam um dossiê ao Secretário de Segurança José Mariano Beltrame, o Chefe do Estado Maior da Polícia Militar, Coronel David e o Subsecretário de Polícia Civil, Ricardo Martins, em reunião ocorrida no gabinete do secretário.

8 - Finalmente chegou o dia da audiência pública sob a presidência da deputada da Igreja Universal. Todos estranharam a ausência das autoridades, com destaque especial para a falta do Procurador Geral, Mafan Vieira, chefe máximo do Ministério Público, fundamental para ouvir as denúncias.

9 - Poucos minutos antes da audiência, o deputado Átila Nunes, na presença de todos os deputados e das lideranças da nossa religião, trava o seguinte diálogo com a deputada Beatriz Santos da Igreja Universal:

Átila Nunes: " - Deputada, a senhora convocou todas as autoridades?"
Beatriz Santos: " - Sim, deputado, todas..."
Átila Nunes: " - Todas mesmo, deputada, inclusive o Procurador Geral do Ministério Público?"
Beatriz Santos silenciou.
Átila Nunes voltou à carga e repetiu a pergunta: "- A senhora convocou o Procurador?"
E Beatriz confessou: "- Não..."

10 - Esvaziada pela Igreja Universal através de sua representante, deputada Beatriz Santos, a audiência pública foi marcada por discussões de segmentos que exigiam o cancelamento da audiência.

11 - Logo após o discurso do deputado Carlos Santana, o deputado Átila Nunes faz uso da palavra e comunica ao plenário que a deputada presidente da Comissão de Combate à Discriminação é da Igreja Universal.

12 - Com a ausência das autoridades, muitas pessoas se retiraram em protesto, enquanto outros deputados acusam discriminação da Rede Record, de propriedade da Igreja Universal, caracterizada por sucessivos ataques a outras religiões.

13 - Visivelmente irritada, a deputada encerra a audiência abruptamente, não permitindo que vários líderes e deputados fizessem uso da palavra

14 - As pessoas estão deixando o plenário e ela pede uma reunião ali mesmo no canto do plenário, com o Subsecretário de Segurança, única autoridade presente

15 - O deputado Átila Nunes e seu filho, Átila Nunes Neto se aproximam do Subsecretário para se despedirem.

16 - Neste momento, seguranças da deputada da Igreja Universal impedem de forma truculenta a aproximação dos dois, instalando-se um caos que exigiu a rápida atuação dos agentes de segurança da Alerj, já que seguranças particulares não podem agir nas dependências da Assembléia Legislativa.

17 - Os seguranças da deputada da Igreja Universal lançam ameaças á vida de Átila Nunes e Átila Nunes Neto. Um deles é identificado como policial militar requisitado e comissionado no gabinete da deputada Beatriz Santos.

18 - Os agentes detém o segurança da deputada e o identificam. É registrada a ocorrência, com a posterior comunicação ao Chefe do Estado Maior da PM denunciando o despreparo e o tom ameaçador vingativo do policial militar que faz a segurança da deputada que, segundo confissão dela, também é evangélico.

19 - É comunicado ao presidente da Alerj o acontecido, com testemunho de todos os funcionários da Alerj, exigindo-se providências.

Os desdobramentos de tudo que aconteceu no último dia 14 de abril exigem uma reflexão do quanto a Igreja Universal está atuando de forma truculenta, incluindo seguranças possivelmente armados, agora dentro do Poder Legislativo.
É preciso que todos nós, que não somos parlamentares, reajamos e denunciemos essas arbitrariedades junto aos órgãos de imprensa.

Essa deputada, cuja Igreja prega o ódio aos cultos afro-brasileiros e o ódio aos homosexuais, JAMAIS poderia ser presidente da Comissão de Combate à Discriminação da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro!

Isso é uma afronta à democracia!

MARCUS LÚCIO DE OXOSSE

Mostra de Cinema da África e da Diáspora Negra "Espelho Negro" "ESPELHO ATLÂNTICO"

MOSTRA DE CINEMA DA ÁFRICA E DA DIÁSPORA NEGRA
"ESPELHO ATLÂNTICO"

Em parceria com o African Filme Festival, de Nova York, a mostra traz um panorama contemporâneo de filmes africanos e brasileiros.
A CAIXA Cultural recebe, de 22 a 27 de abril, a mostra "Espelho Atlântico".
Com direção geral da cineasta Lilian Solá Santiago, o evento traz uma
primorosa seleção de filmes africanos e da diáspora negra para o Rio de
Janeiro. Espelho Atlântico é uma abordagem atual e significativa da
produção cinematográfica africana contemporânea e também da realizada fora
do continente, mas que dialoga diretamente com a herança cultural do
continente africano.

serviço
Mostra Cinematográfica Espelho Atlântico
Local: CAIXA Cultural RJ – Cinema 1
Endereço: Av. Almirante Barroso, 25, Centro (ao lado da estação Carioca do metrô)
Tel: 21 2544 4080 – Site: www.caixacultural.com.br
Temporada: de 22 a 27 de abril de 2008
Sessões: a partir das 19h (curta-metragem sempre seguido de um longa metragem)
Classificação etária: confira a programação
Preço: R$ 4,00 (inteira); R$ 2,00 (meia-entrada)
Acesso para portadores de necessidades especiais

Centro Cultural Octávio Brandão apresenta Venezuela em debate

CENTRO CULTURAL OCTAVIO BRANDÃO
CICLO DE PALESTRAS 2008
VENEZUELA EM DEBATE
Palestra com Ivan Pinheiro (PCB)
O processo em curso na Venezuela chama a atenção de todos aqueles que lutam por transformações na América Latina. As recentenes mobilizações dos metalúrgicos da SIDOR, que acabaram por forçar a sua nacionalização, indicam que os trabalhadores venezuelanos avançam na sua organização e capacidade de luta.
Dia 26/04 - Sábado - 16 Horas
Local: CCOB Rua Miguel Ângelo, 120, esquina com Rua Domingos Magalhães, Maria da Graça - RJ

domingo, 13 de abril de 2008

Inaugurado no Rio de Janeiro ponto de cultura para afro-descendentes

A Fundação Cultural Palmares inaugurou, com a parceria do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculo de Diversões do Estado do Rio de Janeiro (Sated-RJ), o Centro Cultural Dercy Gonçalves e o apoio do Centro Brasileiro de Informação e Documentação do Artista Negro (Cidan), o mais novo ponto de cultura do Rio de Janeiro.
Maiores informações no link:
http://www.palmares.gov.br/

Brasil sediará encontro internacional contra o racismo

Com a presença de representantes de 35 países das Américas, será realizada em Brasília entre os dias 17 e 19 de junho a Conferência Preparatória Regional da Conferência de revisão de Durban, sob o patrocínio da Organização das Nações Unidas e com o apoio do Governo brasileiro.
Ver link:
http://www.planalto.gov.br/seppir/informativos/destaque.htm

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Para aqueles que continuam acreditando ... num mundo melhor: Mayra Andrade - Regaço


Ah!! Cabo Verde!!

Roda de Samba "Encontro dos Tambores"



É uma proposta de resgate dos nossos Sambas Afro dando prioridade à cantores e compositores que sempre defenderam esse ritmo tão energizado por instrumentos como atabaques,
agogôs, frigideiras,
cavacos e violões.

Reproduziremos Afoxés, Sambas de Roda, Jongos, Maxixes, Candomblés entre outros diversos ritmos que compõem a cultura brasileira.

Trazemos em nossa formação muita africanidade dando base para a composição de um repertório com muito Candeia, Pixinguinha, Clementina de Jesus, Mestre Aniceto do Império, Dorival Caymi, Baden Powell,Wilson Moreira, Nei Lopes, Clara Nunes, entre outros grandes compositores e intérpretes que sempre contribuíram com a nossa música
de raíz.

A cada set estaremos buscando uma energia diferente, uma Roda diferente!

A nossa estréia será em 13 de Abril e teremos a força e energia das: CANTORAS DO JONGO DA SERRINHA

A Roda acontecerá todos os domingos, às 16 horas sob o comando dos músicos Andrezão e Tiago Loei, na Maracatu Brasil (Escola de Música que fortalece e prioriza a percussão brasileira) trazendo sempre participações de pessoas que têm como base, um repertório de sambas afro-brasileiros.

End: Rua Ipiranga 49 - Laranjeiras
Ingressos: 8 reais
Contatos:
9339-3051 ou 8206-6688
E-mail: encontrodetambores@hotmail.com
Comunidade de Orkut: Encontro dos Tambores

Coral de Cânticos Sagrados - IYÚN ASÉ ORIN

Inscrições estão abertas para todos os naipes!




VENHA CANTAR CONOSCO!


VENHA SE EMOCIONAR COM AS MÚSICAS SAGRADAS

DE MATRIZ AFRICANA!




NOSSO OBJETIVO é o de divulgar um dos aspectos mais significantes da cultura negra brasileira na diáspora, isto é, a música, o canto e os instrumentos que acompanharam os africanos para o novo mundo. Os cânticos falam de dilemas existenciais como vida e morte de heróis civilizadores e da relação com a natureza vivenciada, como lugar, privilegiado da experiência humana. A nossa luta é pela igualdade social, econômica e política dos afros descendentes na atualidade, além de mostrar que o belo é fonte de entretenimento, educação e valorização da cultura negra no Brasil. Dr. José Flávio Pessoa de Barros

Confirme sua inscrição por telefone ou e-mail.


Contatos com o Coral Iyún Asé Orin (Coral de Cânticos Sagrados):

Aduni Benton: E-mail: abenton21@yahoo.com.br- 21-2502-5015 / 21-9482-6863
Lucinha Pesssoa: E-mail: lucinhapessoa@gmail.com- 21-2493-8120 / 21-8229-9891

Local dos ensaios: UERJ, na sala de música
Dias: 2ª e 5ª feiras - 19h às 21h
Investimento: A SUA ALEGRIA DE CANTAR

Curso de Atualização em Diáspora Africana

O Programa MultiVersidade Criola , um espaço de formação feminista e anti-racista para mulheres negras, o Programa de Estudos e Debates dos Povos Africanos e Afro-americanos (Proafro) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, em parceria com o Centro de Estudos Africanos e Afro-americanos (CAAAS), da Universidade do Texas em Austin, torna público a abertura de inscrições para selecionar alunos e alunas para o Curso de Atualização em Estudos da Diáspora Africana. Serão oferecidas 20 vagas e as inscrições estão abertas até o dia 31/03/2008.


Inscreva-se Já.

Requisitos:
a) Domínio da língua inglesa (de leitura e compreensão), pois as aulas serão ministradas parcialmente em Inglês e a maior parte da bibliografia é em Inglês e;
b) Disponibilidade de tempo para participação e leitura da bibliografia.

O Estudo da Diáspora Africana será realizado na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), as segundas e quartas-feiras, de 13:30 às 17:30 h, no período de 16 de junho a 14 de julho de 2008, somando uma carga horária total de 45 horas.
Inscrições pelo site www.criola.org.br.

terça-feira, 8 de abril de 2008

Quem controla o sistema financeiro?

O Ibase está lançando uma publicação sobre o papel do sistema financeiro no mundo atual. "Quem controla o sistema financeiro?" faz parte da iniciativa Liberalização financeira e governança global: o papel das entidades internacionais, coordenada pelo próprio Ibase, desenvolvida coletivamente por especialistas e ativistas de 12 países com o apoio da Fundação Ford. Vale a pena dar uma olhada.
Mais informações no link:
http://www.ibase.br/modules.php?name=Conteudo&pid=1899

segunda-feira, 7 de abril de 2008

Para aqueles que continuam acreditando ... num mundo melhor: Corinne Bailey Rae - Like A Star


Doce estrela!!

Os 10 melhores comerciais de Linux

As 10 melhores propagandas do Gnu/Linux já produzidas.
http://www.noticiaslinux.com.br/nl1207539290.html
http://www.prestigemarketinggroup.net/ideas/top-10-linux-commercials.html?option=com_content&task=blogsection&id=1&Itemid=2

IRPF 2008 no Fedora 8

Instalação do Programa do imposto de renda no Fedora 8.0.
Como já é de costume, a Receita Federal libera todo ano uma versão em Java do seu programa para Declaração do Imposto de Renda e é justamente essa versão que usamos no Linux.
Para amiores informações ver os links:
http://under-linux.org/8421-irpf-2008-no-fedora-8.html
http://www.madeira.eng.br/wiki/index.php?page=IRPF+2008+no+Fedora+8

Sobre o caso Microsoft x Yahoo

Em um artigo muito bem elaborado o site "Guia do Hardware" faz uma análise dos motivos que levam a Microsoft a insistir na compra do Yahoo. Na visão do GDH, a Microsoft está percebendo que o sistema operacional está se tornando cada vez menos importante, e que, portanto as vendas de seus produtos mais vendidos, o Office e o Windows tendem a declinar, daí a migração para serviços online que podem fornecer receitas com publicidade, como faz o Yahoo.
Para ler todo o artigo:
http://www.guiadohardware.net/noticias/2008-04/47FA243A.html

sexta-feira, 4 de abril de 2008

Fórum Mídia Livre promove encontro no Rio de Janeiro

Terceira reunião preparatória para o primeiro Fórum Mídia Livre será realizada nesta sexta-feira (4), a partir das 17h30min, no Rio de Janeiro, na sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI).
Maiores informações no link:
http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=14909

Centro Cultural Octávio Brandão apresenta "Batismo de Sangue"

Batismo de Sangue
Um convento dominicano de São Paulo decide ajudar um grupo guerrilheiro, em plena ditadura militar brasileira. Dirigido por Helvécio Ratton (Menino Maluquinho) e com Caio Blat, Daniel de Oliveira, Ângelo Antônio, Marcélia Cartaxo e Cássio Gabus Mendes no elenco.

seta3.gif (99 bytes) Ficha Técnica
Título Original: Batismo de Sangue
Gênero: Drama
Tempo de Duração: 110 minutos
Ano de Lançamento (Brasil / França): 2007
Site Oficial: www.batismodesangue.com.br
Estúdio: Quimera Filmes / V&M do Brasil
Distribuição: Downtown Filmes
Direção: Helvécio Ratton
Roteiro: Dani Patarra e Helvécio Ratton, baseado no livro "Batismo de Sangue", de Frei Betto
Produção: Helvécio Ratton
Música: Marco Antônio Guimarães
Fotografia: Lauro Escorel
Direção de Arte: Adrian Cooper
Figurino: Marjorie Gueller e Joana Porto
Edição: Mair Tavares

Neste sábado, 05/04 às 16 horas.









FNDE financia projetos visando a diversidade étnico-racial (e outros) nas escolas

O Ministério da Educação, por meio do Fundo Nacional e Desenvolvimento da Educação (FNDE), financia projetos educacionais no âmbito do ensino fundamental em áreas remanescentes de quilombos e para implementação do ensino da história e cultura afro-brasileira nas escolas públicas. A assistência financeira é destinada para à formação de professores, aquisição e elaboração de materiais didáticos das capitais dos 26 estados e do Distrito Federal.

Os municípios com órgãos de promoção de igualdade racial, reconhecidos pela Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial (Seppir/PR) poderão pedir a assistência. No caso das áreas remanescentes de quilombos, os recursos visam ainda à reforma econstrução de escolas, além de compra de equipamentos.
Entidades privadas sem fins lucrativos também poderão solicitar os recursos. O prazo para encaminhamento dos projetos foi prorrogado para o dia 15 de maio. As orientações para obtenção da assistência financeira suplementar aos projetos educacionais no exercício de 2006, estão detalhadas nas resoluções n°s 8 e 9 de 2006, (ler também resolução número 66 de 2007) na página eletrônica do FNDE (www.fnde.gov.br).

A análise técnico-pedagógica dos projetos ficará sob a responsabilidade da coordenação-Geral de Diversidade e Inclusão Educacional da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad/MEC). Segundo Eliane Cavalleiro, coordenadora-geral de Diversidade, o apoio financeiro do MEC, para a implantação de políticas públicas de valorização e respeito da diversidade étnico-racial, representa uma ação que visa à qualificação da educação. “É uma chance para que gestores da área de educação implementem a Lei 10.639/03, que alterou a Lei de Diretrizes e Bases (LDB), portanto obrigatória para todos os sistemas de ensino”, disse Cavalleiro.

Critérios - Os critérios para apresentação de projetos de formação de professores deverão levar em conta não só conteúdos que tradicionalmente são tratados nas disciplinas do Núcleo Comum, mas deverão abordar o conteúdo da história e da cultura africana e dos
afro-brasileiros de acordo com a Lei 10.639/03. Em relação à compra de materiais didáticos, o projeto deverá visar ao conhecimento e à valorização de aspectos da história e da cultura da população negra como forma de expressão e de desenvolvimento da auto-estima. Quanto ao quesito elaboração de material, é importante considerar a valorização de aspectos geográficos e humanos.

Nos projetos para construção, reformas e compra de equipamentos, os estados e municípios deverão apresentar documentação de propriedade do imóvel onde serão executadas as obras. Mais informações pelo telefone (61) 2104-6095, com Ana José ou Maria Auxiliadora, da Secad.

Os projetos deverão ser encaminhados à Diretoria de Programas e Projetos Educacionais do FNDE/MEC no Setor Bancário Sul (SBS), Quadra 2, bloco F, Ed. Áurea, sobreloja, sala 7 - CEP 70.070-929. Brasília (DF).

Assessoria de Comunicação/Secad
Ivonne Ferreira
Tel. (61) 2104- 6081.

quinta-feira, 3 de abril de 2008

Movimentos pressionam pela aprovação da PEC do Trabalho Escravo

Com uma lista de 189 proprietários que se utilizavam de mão-de-obra de trabalho análoga ao trabalho escravo, movimentos sociais estão pressionado pela aprovação imediata da Proposta de Emenda Constitucional 438/2001, que confisca as terras onde forem identificadas a presença de trabalho escravo. Segunda a emenda, as terras nessas condições seriam destinadas à reforma agrária.
Mais informações no link:
http://www.adital.com.br/site/noticia.asp?lang=PT&cod=32410

Ministro relator vota pelas cotas e sessão do STF é suspensa

“Essa é uma técnica de compensação jurídica, uma forma de quebrar a hegemonia e colocar a sociedade nos eixos em condição de horizontalidade”. A declaração foi feita pelo ministro Carlos Ayres Britto (foto), ao anunciar nesta quarta-feira (02/04) seu voto favorável às Ações Afirmativas no julgamento da ADI 3330, movida pela Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino (CONFENEN). É a primeira vez que o STF - a mais alta Corte do país - aprecia uma ação desse tipo.
Mais informações no link:
http://www.afropress.com/noticiasLer.asp?id=1580

terça-feira, 1 de abril de 2008

Manifesto Popular de 28 de março

Um dos problemas centrais das metrópoles brasileiras, sem dúvida alguma, é a questão da moradia. Enquanto, alguns grandes proprietários do solo urbano concentram em suas mãos, centenas e, em alguns casos, milhares de imóveis, na maioria das vezes fechados e aguardando valorização, uma parcela significativa da população urbana no Brasil vive em habitações de péssima qualidade. Só no Rio de Janeiro, o deficit habitacional chega a mais de 200 mil imóveis. Esta concentração dos recursos imobiliários em poucas mãos acarreta uma série de problemas, sendo que o mais sério no momento, é o problema da dengue. Com um sem-número de imóveis fechados e sem qualquer tipo de supervisão por parte de seus donos. Estes se tornaram criadouros do mosquito transmissor da dengue, o famigerado Aedes aegypti. Várias reportagens dos órgãos da imprensa já mostraram residências fechadas onde não se pôde fazer a fiscalização, por inexistência de moradores. Passando pelas ruas desta cidade podemos perceber o quanto problema é grave. A quantidade enorme de imóveis vazios existentes e para os quais seus proprietários aguardam os benefícios da especulação imobiliária. Por isso, e por outros tantos motivos, estamos dando apoio e publicando o Manifesto popular de 28 de março dos trabalhadores sem-teto, por acreditarmos ser uma luta justa e a solução para os mais variados problemas das metrópoles brasileiras.


“Hoje, o povo pobre de vários cantos do Brasil se levanta num único gesto de resistência contra as condições de vida miseráveis que nos afetam. São ações desenvolvidas por movimentos populares em nove estados do país com o objetivo de fazer valer nossos direitos e fazer ouvir nossa voz. São milhares de favelas, de cortiços, de áreas de risco em que vivemos indignamente. São milhares de trabalhadores e trabalhadoras desempregados, informais ou trabalhando em situação de extrema precariedade, submetidos à grande exploração que lhe arranca o sangue, o suor e, às vezes, a lágrima. São milhares, transportados no caos da cidade como gado, de crianças sem creche, de jovens e adultos sem educação pública com um mínimo de qualidade. Na cidade do lucro não cabe o pobre, não cabe o negro, não cabe o nordestino, não cabe a mulher, não cabem os trabalhadores e trabalhadoras que deram sua força para construí-la. Somos milhões a quem tentam privar da esperança, mas que, resistindo, mantivemos nossa dignidade. É essa dignidade que transformamos hoje em ocupações de todos os tipos, exigindo e reivindicando todos os direitos que ficaram esquecidos, mortos nas leis e que faremos reviver nas lutas do povo pobre.

O modelo neoliberal nos sufoca. O dinheiro que vai para o bolso de banqueiros e especuladores como pagamento de uma dívida impagável seria mais que suficiente para resolver os problemas de habitação, infra-estrutura urbana e serviços no país. Ao povo sobram migalhas, apresentadas num jogo de ilusões como grandes políticas públicas. Os vultuosos recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) têm alegrado muito mais os empresários da construção civil e do ramo imobiliário do que o povo que necessita de moradia. Uma Política de Reforma Urbana que tenha como prioridade os interesses populares nunca foi agenda de nenhum governo e Lula apenas aprofundou este caminho, que mata pela violência, pela fome, pelo cansaço, pela enchente, pela falta de habitação, etc. O Ministério das Cidades e seus “espaços de participação”, apresentados como avanços na efetivação de uma política urbana democrática, não representaram nenhum grande passo na solução de nossos problemas. Ao contrário, reproduzem uma forma burocrática e elitista de se tratar as questões urbanas.

Neste sentido, nossas ações de ocupação em todo o país são a única forma de sermos ouvidos e atendidos. Os movimentos que assinam este manifesto propõem:
· Uma política habitacional popular baseada em subsídios, com valor adequado à realidade das metrópoles, sem o entrave burocrático e elitista dos financiamentos bancários. Que o Governo Federal desenvolva uma política nacional de desapropriações de terrenos e edifícios urbanos que não cumprem função social, destinando-os às demandas populares organizadas.
· Uma política nacional integrada de transporte urbano público gratuito, de qualidade, priorizada em relação ao transporte individual, que tem levado as metrópoles ao caos.
· Uma política de educação que crie creches financiadas pelo Estado sob o controle dos trabalhadores, que valorize os professores e profissionais da educação, que qualifique o ensino não visando o mercado mas a consciência crítica e social dos alunos.
· Controle restritivo das taxas cobradas por serviços públicos básicos como água e energia elétrica, garantindo a aplicação de Tarifas Sociais previstas na lei.
· Políticas de geração de trabalho e renda que dêem alternativas sociais e não policiais aos trabalhadores informais.

Hoje, somos a voz de quem não tem voz. Hoje, não elegemos ninguém para falar, pois falamos nós mesmos por meio de nossas ações. Hoje, cada ocupação realizada neste país é a voz de milhares que foram calados e se cansaram. A cidade que queremos vamos pôr de pé, por ela vamos resistir e combater e por ela vamos nos organizar e mobilizar nossa esperança. Porque aprendemos que a esperança de muitos hoje é a realidade de amanhã, a que queremos deixar para os que virão.”

Assinam este manifesto: Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) / Movimento Urbano dos Sem Teto (MUST) / Movimento Sem Teto da Bahia (MSTB) / Movimento dos Conselhos Populares - Ceará (MCP) / Movimento Sem Teto de Luta – Amazonas / Movimento de Luta Popular Comunitária (MLPC) – Pernambuco / Movimento das Famílias Sem Teto (MFST) – Pernambuco / Movimento Quilombo Urbano – Maranhão / Movimento das Mães Sem Creche / Fórum de Moradia – Minas Gerais / MTL Democrático Independente – Minas Gerais.
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.5 Brazil License.