Blog comprometido com as mais diversas lutas sociais do planeta, particularmente, o que diz respeito a luta pelo socialismo, a ampliação do uso dos software livre Gnu/Linux na busca pela expansão de nossa inteligência coletiva e da cultura livre, além da batalha pela melhoria das condições de vida da população brasileira, sobretudo, do povo negro.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Obama erra, e repete Bush no Afeganistão

Link: Resistir.info

Escrito por Malalai Joya [*]

Malalai Joya. Como uma mulher afegã que foi eleita ao Parlamento, estou nos Estados Unidos para pedir ao presidente Barack Obama para acabar imediatamente a ocupação do meu país.

Oito anos atrás, os direitos das mulheres foram utilizados como uma das desculpas para começar esta guerra. Mas hoje, o Afeganistão ainda está a enfrentar uma catástrofe quanto aos direitos da mulher. A vida para a maior parte das mulheres afegãs assemelha-se a um tipo de inferno que nunca se reflecte nos principais media do Ocidente.

Em 2001, os EUA ajudaram a devolver o poder aos piores criminosos misóginos, tais como os senhores da guerra da Aliança do Norte e os barões da droga. Estes homens podem ser considerados uma fotocópia dos Taliban. A única diferença é que os senhores da guerra da Aliança do Norte usam fatos e gravatas e cobrem as suas caras com a máscara da democracia enquanto ocupam posições no governo. Mas eles são responsáveis por grande parte do desastre no Afeganistão de hoje, graças ao apoio estado-unidense de que desfrutam.

Os EUA e os seus aliados estão a preparar-se para oferecer o poder aos Taliban medievais através da criação de uma categoria imaginária chamada os "Taliban moderados" e convidando-os a aderirem ao governo. Um homem que estava quase no topo da lista dos terroristas mais procurados, Gulbuddin Hekmatyar, foi convidado a entrar para o governo.

Ao longo dos últimos oito anos os EUA ajudaram a transformar o meu país na capital mundial da droga por meio do seu apoio aos barões da droga. Hoje, 93 por cento de todo o ópio do mundo é produzido no Afeganistão. Muitos membros do Parlamento e altos responsáveis beneficiam-se abertamente do comércio de droga. O próprio irmão do presidente Karzai é um bem conhecido traficante de droga.

Enquanto isso, os afegãos comuns estão a viver na privação. O último Índice de Desenvolvimento das Nações Unidas classifica o Afeganistão em 181º lugar entre 182 países. Dezoito milhões de afegãos vivem com menos de US$2 por dia. Mães e muitas partes do Afeganistão estão prontas a vender os seus filhos porque não podem alimentá-los.

O Afeganistão recebeu US$36 mil milhões de ajuda nos últimos oito anos e só os EUA gastaram US$165 milhões por dia na sua guerra. Mas o meu país permanece nas garras de terroristas e criminosos. O meu povo não tem interesse no drama actual da eleição presidencial uma vez que ele nada mudará no Afeganistão. Tanto Karzai como o Dr. Abudullah são odiados pelos afegãos por serem fantoches dos Estados Unidos.

A pior baixa desta guerra é a verdade. Aqueles que se levantam e elevam as suas vozes contra a injustiça, insegurança e ocupação têm as suas vidas ameaçadas e são forçados a deixar o Afeganistão, ou simplesmente são mortos.

Estamos ensanduichados entre três poderosos inimigos: as forças de ocupação dos EUA e da NATO, o Taliban e o governo corrupto de Hamid Karzai.

Clique a imagem para encomendar. O presidente Obama está agora a considerar um aumento de tropas no Afeganistão e simplesmente estendendo as antigas políticas erradas do presidente Bush. De facto, os piores massacres desde o 11/Setembro foram durante o mandato de Obama. A minha província nativa de Farah foi bombardeada pelos EUA em Maio último. Cento e cinquenta pessoas foram mortas, a maior parte delas mulheres e crianças. Em 9 de Setembro os EUA bombardearam a Província Kunduz matando 2000 civis.

O meu povo está cansado. Eis porque queremos um fim imediato da ocupação estado-unidense.


[*] Sobrevivente de quatro tentativas de assassinato, foi eleita ao parlamento do Afeganistão em 2005 e expulsa em 2007 pelos senhores da guerra. Lançou agora as suas memórias políticas:
A Woman Among Warlords .


O original encontra-se em http://www.mercurynews.com/search/ci_13755903?nclick_check=1
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.5 Brazil License.