Blog comprometido com as mais diversas lutas sociais do planeta, particularmente, o que diz respeito a luta pelo socialismo, a ampliação do uso dos software livre Gnu/Linux na busca pela expansão de nossa inteligência coletiva e da cultura livre, além da batalha pela melhoria das condições de vida da população brasileira, sobretudo, do povo negro.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

"TEM SEMBA DE TERREIRO NOS PRETOS NOVOS"

Livro resgata as primeiras imagens de professores e alunos negros


Alunos e professores da 3ª série da Escola Rodrigues Alves, Rio de Janeiro, 1914
RIO - Foi estudando para sua tese de doutorado em Educação, concluída na UFRJ, que a pedagoga Maria Lúcia Rodrigues teve a sorte de esbarrar com fotos do fim do século XIX e início do XX, que comprovavam - ao contrário do que pensavam alguns estudiosos - que a inclusão de professores negros nas escolas aconteceu bem antes de 1960. Lúcia não consegue precisar exatamente quando isso de fato ocorreu, mas assegura que tenha sido antes mesmo do fim da escravidão. As imagens guardadas pela pesquisadora ao longo de dez anos foram transformadas no livro "A cor da Escola - Imagens da Primeira República" (Ed.UFMT / Estrelinhas), lançado na última semana.

O exemplar é recheado de 54 fotos raras e inúmeros textos que contam a história dos primeiros professores e alunos negros nas escolas da Primeira República (1889 a 1930), nos estados do Rio de Janeiro e Mato Grosso. De acordo com Lúcia, naquela época os negros ocupavam cargos de destaque nas escolas públicas - eram diretores, por exemplo - e representavam boa parte do quadro de docentes. Da mesma forma, alunos brancos e negros dividiam a mesma sala de aula, em semelhante proporção.

Veja a fotogaleria com fotos do livro

- Escrevi diversos artigos sobre o assunto e as pessoas diziam que eu era louca, que os negros só começaram a estudar para ser professor na década de 1960. Então, me senti desafiada a provar aquilo. Demorou dez anos, desde o dia que achei a primeira foto, mas aí está o resultado - comemora Lúcia, que é pesquisadora associada do Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira, da UFF, e professora da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT).

Reforma educacional afasta os negros das escolas

Professora da Escola José Pedro Varela, em sala de aula, Rio (1923)Segundo a pesquisadora, mesmo antes do fim da escravidão, o Brasil tinha milhares de negros livres que se preocupavam com a educação de seus filhos ou se destacavam no magistério. No entanto, como comprovam as imagens do livro, eles foram desaparecendo aos poucos, até se tornarem uma pequena minoria nas escolas públicas da época.

- Entre 1910 e 1930 ocorreu um processo de branqueamento das posições de prestígio e das salas de aula. Muitos intelectuais achavam que a solução para o desenvolvimento do Brasil era a imigração da população européia. Então, foram criadas regras para afastar os negros.

As normas fizeram parte de uma reforma educacional brasileira do início do século passado, que no Rio aconteceu em 1927. Pelas regras implementadas, professores com mais de quatro obturações dentárias, sem algum dos dentes, ou não nascidos na cidade do Rio de Janeiro não eram aceitos nas escolas. Além disso, foi criado um programa de estímulo à aposentadoria, conta Lúcia.

- Com os alunos, o processo foi parecido. Eles precisavam preencher um formulário escolar que mais parecia uma ficha médica, que acabava por discriminar os mais pobres, em sua maioria negros.

Cotas contribuem para a formação de uma elite negra, dia Lúcia

Maria Lúcia Rodrigues / Marta Reis

O resultado dessa política, a professora acredita, é sentido ainda hoje no reduzido número de negros no magistério - apenas 4,3%, segundo dados do último Censo - e nas universidades. Para resolver o problema, ela se diz a favor da reserva de vagas para estudantes negros, adotada por algumas instituições, entre elas a Uerj.

- Pesquisas já comprovaram que os cotistas não diminuíram a qualidade do ensino dessas universidades. Pelo contrário, eles são os mais esforçados. As políticas afirmativas são essenciais para que criemos uma elite negra no país. Se elas não são a solução definitiva, são pelo menos a temporária - defende.


Agradeço ao companheiro José Ricardo do blog: http://atabaqueblog.blogspot.com/ pelo envio deste interessante material.

Carta aberta à futura Secretária de Educação do Rio de Janeiro, Cláudia Costin por Declev Dib-Ferreira

Carta aberta à futura Secretária de Educação do Rio de Janeiro,Cláudia Costin por Declev Dib-Ferreira em Brasil - país dos absurdos,desabafo, Educação, Opinião, Política, Reflexões
Prezada Cláudia,
Sou funcionário do município do Rio, professor de Ciências.Tenho este cargo por mérito próprio, por passar em um concurso, há quase 5 anos - não tenho cargo por indicação política.
Li uma matéria com uma entrevista sua no Globo, dia 08 de novembro de 2008, página 18.
Na ocasião, algumas frases e propostas me chamaram a atenção. Tanto pela inocência quanto pela maldade das mesmas. Gostaria de, mui respeitosamente, discutir alguns pontos.
Vejamos…
1 - Você diz que pretende "investir na qualificação de
professores, que poderão ganhar computadores portáteis".
Eu agradeço muito o computador, porque estou precisando, pois o meu pifou. Mas isso, sinceramente, não creio que seja investir na qualificação do professor. Já tive a oportunidade de escrever sobre isso por aqui, quando da mesma compra pelo Estado.
Tenho um amigo que ficará com 5 computadores portáteis em casa e não sabe o que fazer com tantos. Ele e a esposa são professores, ambos do Estado e da prefeitura do Rio. Já tinham um, ambos ganharam do estado e ambos ganharão da prefeitura.
Professores, cara futura secretária, querem salário decente. Com ele podem comprar seus próprios computadores. E muitos já o fizeram, pois o preço baixou bastante. Eu mesmo ia comprar um - como eu disse, o meu pifou - mas não vou. Estou esperando ganhar. Mas preferia um bom aumento de salário para comprar o que eu próprio escolhesse e ainda aumentar minha renda.
2 - Você faz uma pergunta: "Por que uma cidade que tem tantos mestres e doutores de qualidade não consegue fazer um Ideb compatível com os de países desenvolvidos?".
O Demétrio Weber já respondeu, mas eu insisto em te responder esta pergunta também. E o principal motivo é simples: porque mesmo sendo mestres ou doutores de qualidade, temos que trabalhar em dois, três, quatro ou mesmo em cinco lugares diferentes pra poder somar renda e ter um salário "compatível com os de países desenvolvidos"!!! Sem contar as condições em que trabalhamos, secretária, que nem de longe é "compatível com os de países desenvolvidos". A pergunta seria ao contrário: "por que não tratamos como os países desenvolvidos os nossos tantos mestres e doutores de qualidade?".
3 - Por fim, sua maior pérola, a frase "Quando um aluno é reprovado, é sinal que o professor falhou". Fico muito muito muito apreensivo que uma pessoa que tenha este pensamento venha a coordenar a maior rede municipal da América Latina. Pra facilitar o entendimento da minha lógica - que pode ser muito profunda pra quem nunca entrou numa sala de aula do ensino fundamental de uma escola encravada numa favela farei um paralelo com o médico.
Imaginemos uma pessoa que desde que nasce não tem cuidados médicos, não se cuida, não faz exercícios, não se alimenta direito, bebe, fuma, é sedentário, estressado etc.
Essa pessoa passa mal e vai ao médico. O médico receita remédios e faz uma série de recomendações dizendo que, se não seguir, ele pode morrer. O doutor marca uma nova consulta para daqui a alguns meses, para verificar o seu progresso. A pessoa não fez nada do que o médico receitou e ainda faltou à consulta. Passa mal de novo e vai ao médico. O doutor dá uma bronca, faz as mesmas recomendações, passa as receitas
novamente, marca uma nova consulta.
O paciente, mais uma vez (ou muitas vezes), não faz o que o médico manda e morre.
> O médico falhou?
Pela sua lógica, "quando um paciente morre, é sinal que o médico falhou".
Oras… garanto que neste caso a senhora achará que o culpado é o paciente, já que o médico fez de tudo para salvá-lo…
Será que o professor também não o faz?
Mas vamos examinar o nosso caso. Por partes e desde o início.
a) quando a criança foi concebida, quem falhou foram os pais, que souberam gozar mas não evitar a gravidez;
b) quando a moça estava grávida falharam ela, o pai, a família e o Estado (assistência social, hospitais), que não deram a ela e ao feto um pré-natal decente - ou mesmo nenhum pré-natal;
c) quando ele nasceu e era um bebê cheio de necessidades falharam os pais que colocaram no mundo uma criança sem ter condições mínimas de criá-lo e falhou o Estado (segurança alimentar) em não dar a ele o que necessitava para seu pleno desenvolvimento;
d) quando ele era uma criança falhou o Estado mais uma vez por não oferecer a ele a pré-escola, tão importante no desenvolvimento intelectual e psicomotor nesta idade. Não obstante este ser um direito garantido pela Constituição Federal: Art. 208. O dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de: IV - atendimento em creche e pré-escola às crianças de zero a seis anos de idade;
e) nesta mesma idade e até tornar-se o adolescente ao qual a senhora se refere - aluno do fundamental - falham o Estado, as polícias, os bandidos, os filhinhos de papai, os atores da Globo, os artistas e todos aqueles que usam drogas, ao condená-lo a viver em um local extremamente violento, com disputas entre facções rivais, com invasões desumanas de policiais em suas casas e um cotidiano de estatísticas piores que de guerras;
f) quanto à sua moradia, falham os políticos filhos da puta, o Estado (habitação), o empresários, os especuladores, por fazê-lo viver em submoradia, sem o mínimo de conforto, sem espaço para ele, com uma densidade demográfica japonesa dentro de sua casa;
g) falham os publicitários que mentem para que ele não seja ninguém se não tiver o que ele não pode ter;
h) falham as emissoras de televisão ao entrarem diariamente em contato com ele com imbecilidades que não ajudam em nada seu intelecto;
i) falham os empresários de ônibus que o restringe de andar pela cidade por conta do preço da passagem e do péssimo serviço que oferecem;
j) falham os locais culturais que são inacessíveis a ele (inacessíveis financeiramente ou mesmo barreira – cultural - invisivelmente);
k) falha a sociedade como um todo que o quer longe;
l) falha a estrutura da escola que só o tem em um pequeno período do dia, deixando-o nas ruas no resto das 24h;
m) falha o Corpo de Bombeiros que carrega bandidos carnavalescos desfilando em carro aberto pelas cidades, ao mostrar que quem tem valor é quem tem dinheiro, não importa de onde vem;
n) falham os jornais de grande circulação que estampam nas primeiras páginas, praticamente todos os dias, as fotos e colunas de fofocas de traficantes e outros bandidos - inclusive tenho um O Dia que tem a primeira capa toda falando do casamento de um traficante - glorificando quem é bandido, mostrando a ele que esse é o caminho;
o) falha o Conselho Tutelar ao superproteger mesmo quando fazem merda, nada fazendo e não mostrando que além de direitos também tem obrigações;
p) falham as editoras de revistas que só colocam a preço de quase nada as revistas mais imbecis que existem, com fofocas e coisas do gênero;
Enfim, apesar de a Constituição prever que "A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade" (Art. 205), a senhora vem me dizer que "quando um aluno é reprovado, é sinal que o médico professor falhou"?
Francamente. É justamente o professor que está lá dentro, cara futura secretária de educação, com o aluno, diariamente, tentando fazer com que ele estude, com que ele dê valor ao estudo, com que ele aprenda!
Veja pelos exemplos abecedários que dei em cima, que o professor é praticamente o único que quer que ele seja alguém pela educação; o professor que dá valor ao estudo; o professor que luta contra toda a merda que a sociedade faz com ele desde antes dele nascer, para que ele se salve.
Veja, prezada futura, o que diz a Constituição Federal:
CAPÍTULO II - DOS DIREITOS SOCIAIS
Art. 6º. São direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.
Quais destes direitos o Estado - do qual você tem íntima relação, a ver pelos cargos que já ocupou - oferece ao aluno - e com qualidade?
Quase nenhum, né? E você vem me dizer que é o professor que falha, como se só o que fazemos em sala de aula é o que conta, é o que faz um aluno ter sucesso ou não???
Francamente.
Assinado:
Um professor mestre doutorando que tem diversos empregos e mesmo assim luta para que seus alunos possam superar toda a merda que a sociedade faz com eles para que possam ser alguém na vida e que, justamente por se sentir incapaz de fazer isso com o que o Estado lhe oferece, não acredita em reprovação.
Um abraço,
João Paulo

Link original deste artigo:
http://diariodoprofessor.com/2008/11/30/carta-aberta-a-futura-secretaria-de-educacao-do-rio-de-janeiro-claudia-costin/

ATO PÚBLICO - RIO - 8/01/2009 contra o Genocídio e a Limpeza Étnica na Faixa de Gaza

Material enviado pelo companheiro Ramez Philippe

Caros amigos,

Conforme a posição de uma parcela considerável de organizações que participam do Comitê e que opinaram sobre o ato no Rio, e que foi possível o contato, estamos fechando o ato do Rio de janeiro da seguinte forma:
VIGILIA E ATO PÚBLICO NA CINELÂNDIA
DIA 8 DE JANEIRO - QUINTA FEIRA
Concentração na Cinelândia à partir das 15 horas
Carro de som NO Centro
ATO PUBLICO ÀS 17 horas
Solicitamos o apoio das diversas organizações do movimento popular, associações árabes e sindicatos para ajudar na convocatória e assim garantir um ato de solidariedade expressivo.
É importante recordar que o mês de Janeiro é particularmente ingrato para manifestações, dado o número de militantes, sindicalistas e estudantes de férias, no Rio de janeiro, por isso precisamos unir os esforços nesse sentido.
As organizações ou sindicatos que puderem construir seus prórpios panfletos convocatórios e organizar panfletagens devem faze-lo.
A comunidade árabe e mulçumana do Estado deve ser mobilizada.
Vamos construir um ATO INTERNACIONALISTA que mobilize a população do Rio de janeiro para solidariedade com os povo palestino.
Comitê de Solidariedade à luta do povo Palestino do Rio de Janeiro
Tel para contato: 81312146 (Stela)

Centro Cultural Octávio Brandão

Boletim Informativo n° 1/ 2009
"Afinal, o nosso único "crime" é ter idéias e lutar por elas, num país em que os governantes se caracterizam exatamente por serem homens vazios, sem idéias.
Nosso "crime" é ter princípios, numa hora de cambalachos e capituações vergonhosas."
Octavio Brandão (Carta a Monteiro Lobato, 1948)
1 - O CCOB retomará suas atividades no próximo sábado, 10/01/2009, 15:30 horas, com o evento "Revolução Cubana", comemorando os cinquenta anos do movimento guerilheiro popular que derrubou o ditator e lacaio dos EUA, Fulgencio Batista.
- Exibição de video : "Entrevista com Fidel no Programa Roda Viva gravada em 1990" ( 1h,27m)
- Mesa Redonda: A revolução cubana, história e atualidade meio século depois.
2 - Assembléia Geral
Dia 24/01/2009, sábado, a partir das 10 horas, assembléia de sócios do CCOB para discutir e deliberar sobre os seguintes pontos:
1 - Programação de atividades para 2009.
2 - Manutenção da sede
3- Finanças
OBS. Após a assembléia será realizado nosso tradicional churrasco comunitário.
3 - Solidariedade ao povo palestino
O CCOB convida, juntamente com várias outras organizações, para o ato público na Cinelândia, dia 08/01/2009, quinta-feira, a partir das 15 horas, em repúdio ao bombardeio e invasão da Faixa de Gaza por tropas israelenses, resultando no assassinato de centenas de palestinos.
4 - Contribuições Financeiras para o CCOB
Se você deseja apoiar financeiramente o CCOB, informamos que o depósito pode ser realizado na conta do Centro Cultural Octavio Brandão, Banco do Brasil, Ag. 0249-6, Conta 34398-6.
Contribua e ajude a manter esta chama acesa.

sábado, 3 de janeiro de 2009

Monografia sobre o linux

“Feliz ano novo para todos. Depois de algum tempo sem postar nada em meu blog, decidi posta nele a minha monografia que foi justamente o motivo desta ausência de posts durante esses meses. Como o título deste post sugere, a monografia foi desenvolvida com o objetivo de demostrar que o Linux pode ser utilizado como um sistema para desktop, procurando focar o usuário comum que na maioria das vezes já utilizou o Windows. Prefiro deixar aqui a introdução para que as pessoas tenham o interesse de baixá-la na íntegra.

Mais informações:
http://jeffersonjbj.blogspot.com/2009/01/linux-como-alternativa-de-sistema.html
http://br-linux.org/2009/download-de-monografia-linux-como-alternativa-de-sistema-operacional-para-desktops/

Caso você queira baixar a monografia inteira:
http://www.4shared.com/file/78327300/b156225/Linux_Como_Alternativa_De_Sistema_Operacional_Para_Desktops.htm
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.5 Brazil License.