Blog comprometido com as mais diversas lutas sociais do planeta, particularmente, o que diz respeito a luta pelo socialismo, a ampliação do uso dos software livre Gnu/Linux na busca pela expansão de nossa inteligência coletiva e da cultura livre, além da batalha pela melhoria das condições de vida da população brasileira, sobretudo, do povo negro.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Condenados por injúria racista, os três estudantes de Ribeirão

Fonte: afropress


Por: Redação: Com informações do Jornal Folha de S. Paulo e Agências - Fonte: Afropress: Foto - F.L.PITON/A CIDADE - 1/12/2010 Ribeirão Preto/SP - Emílio Pechulo Ederson, 20, Felipe Giron Trevizani, 21, e Abrahão Afiune Júnior, 19, - os três alunos de Medicina de Ribeirão Preto, presos no ano passado por agressão ao auxiliar de Serviços gerais Geraldo Garcia, 55 anos - foram condenados a três meses de detenção e um ano de reclusão pela prática de injúria racista.

A juíza Ilona Márcia Faggioni, da 5ª Vara Criminal de Ribeirão, em sentença com data da última segunda-feira (29/11), converteu as penas em obrigação de comparecimento em juízo por dois anos e em prestação de serviços a comunidade durante um ano.

Os três – filhos de famílias de classe média alta residentes em Campinas, S. Paulo, e nos Estados de Goiás e Pará - foram surpreendidos por um frentista e dois vigilantes, ao atacarem com um tapete do carro em que estavam, o auxiliar de serviços, enquanto este transitava de bicicleta para o trabalho. Por causa da força da pancada, Garcia se desequilibrou, caiu no chão e machucou a coxa.

Uma testemunha – o vigilante Adilson Castro de Morais, 31 anos, perseguiu os agressores junto com colegas que estavam no posto até a Avenida 9 de julho, onde os deteve.

A agressão aconteceu no dia 13 de dezembro do ano passado. Na época, Garcia, disse que havia sido a primeira vez que apanhava por ser negro.

De acordo com o delegado Mauro Coraucci, enquanto atacavam o auxiliar de serviços gerais, os agressores vibravam “ô, negro, "seu negro", e repetiam ofensas de caráter racista. O advogado Carlos Mancini, que defende os três réus – agora condenados – disse que recorrerá da sentença ao Tribunal de Justiça de S. Paulo.

Além da condenação na Justiça, os três estudantes foram desligados do Centro Universitário Barão de Mauá, porque um Conselho criado para avaliar o caso decidiu que a atitude feriu o regimento do curso.
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.5 Brazil License.