Blog comprometido com as mais diversas lutas sociais do planeta, particularmente, o que diz respeito a luta pelo socialismo, a ampliação do uso dos software livre Gnu/Linux na busca pela expansão de nossa inteligência coletiva e da cultura livre, além da batalha pela melhoria das condições de vida da população brasileira, sobretudo, do povo negro.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

WikiLeaks: Israel queria estrangular Gaza

Fonte: esquerda.net
Telegrama da embaixada dos EUA em Tel Aviv, divulgado pelo diário norueguês Afterposten, mostra que Israel deliberadamente queria manter a economia de Gaza no mais baixo nível possível, dois meses antes do ataque militar.

Bombardeamentos em Gaza duruante a guerra promovida por Israel

Dois meses antes do ataque das tropas israelitas à Faixa de Gaza, baptizada por Tel Aviv de “Operação Chumbo Fundido”, a embaixada dos EUA em Israel preocupava-se com a política do governo israelita de estrangular economicamente a Faixa de Gaza, trazendo sérias dificuldades também à Autoridade Palestiniana. É isso que se constata da leitura de um telegrama de Outubro de 2008 obtido pela WikiLeaks e divulgado pelo diário norueguês Afterposten.
No telegrama, a embaixada adverte que a política das autoridades israelitas era a de “manter a economia de Gaza no mais baixo nível possível”, no limiar da crise humanitária.
O governo israelita considera que manter o shekel (a moeda israelita) como a moeda dos territórios palestinianos é do interesse de Israel, mas encara as transferências de moeda para os territórios como uma questão de segurança nacional, decidida pelo Conselho de Segurança Nacional israelita e não pelo Banco de Israel.
Esta política de estrangulamento deixou em maus lençóis a Autoridade Palestiniana, controlada pela Fatah, que se viu impedida de pagar aos seus funcionários – enquanto o Hamas, no governo de Gaza, conseguia pagar aos seus. As autoridades de segurança israelitas afirmavam que na lista de pagamentos da Autoridade Palestiniana estavam muitos militantes do Hamas, e por isso pouco se importavam com as dificuldades da Fatah.
A embaixada “encorajou o Governo de Israel a rever esta política”, diz-se no telegrama, mas os diplomatas americanos reconheciam não esperar qualquer mudança por parte de Israel.
Dois meses depois, começou o ataque a Gaza.
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.5 Brazil License.