Blog comprometido com as mais diversas lutas sociais do planeta, particularmente, o que diz respeito a luta pelo socialismo, a ampliação do uso dos software livre Gnu/Linux na busca pela expansão de nossa inteligência coletiva e da cultura livre, além da batalha pela melhoria das condições de vida da população brasileira, sobretudo, do povo negro.

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Egito: A revolta dos trabalhadores ignorada pela mídia ocidental

 Palavras do Pelenegra: A verdadeira face da revolução egípcia, que a mídia ocidental procura esconder.

Fonte: sinpermiso
"A revolução no Egito é uma expressão da vontade do povo, a determinação do povo, o compromisso das pessoas ... os muçulmanos e os cristãos têm trabalhado em conjunto nesta revolução, assim como os grupos islâmicos, os partidos seculares, partidos nacionalistas e intelectuais ... A verdade é que todos os setores têm participado nesta revolução. jovens, velhos, mulheres, homens, padres, artistas, intelectuais, operários e camponeses "- Hassan Nasrallah, secretário-geral do Hezbollah 


A história real do que está acontecendo no Egito, está sendo ocultada  nos EUA: não é coerente com o tema das "maravilhas do capitalismo" que a mídia gosta de repetir ad nauseam. A verdade nua e crua é que o grosso das políticas econômicas de Washington exportadas através de suborno e coação tem causado uma reação massiva da população trabalhadora, e acabou causando um incêndio no Oriente Médio. Mubarak é a primeira vítima desta guerra contra o neoliberalismo virão muitos mais. De fato, a renúncia de Mubarak é provavelmente uma mera concessão aos trabalhadores egípcios destinados a seguir o conselho dos militares e voltar para suas unidades de montagem como cordeiros para presunçosos executivos sediados em Berlim e Chicago poderem tirar algumas moedas de um centavo a mais do seu trabalho árduo. O mais provável, porém, é que tal coisa não ocorra, porque os 18 dias em Tahrir Square, tiveram um efeito transformador sobre a consciência dos 80 milhões de egípcios, que subitamente disseram "basta". As pessoas têm despertado do seu sono e agora estão prontos para a luta.

A revolução começou muito antes de os protestos na Praça Tahrir, e por um longo tempo. Trabalhadores em todos os lugares estão se rebelando contra miseráveis condições de vida, salários contra a escravidão e contra a "privatização", a jóia da coroa do neoliberalismo. A privatização das empresas estatais no Egito é a causa mais imediata da revolta atual. Levou a um declínio geral nos padrões de vida de tamanho extremo, as pessoas preferem lidar com os cassetetes da polícia a continuar a suportar mais do mesmo. Aqui está um trecho da revista Foreign Policy, que é esclarecedora do que está acontecendo:

"Nas fábricas de El peri-Mahalla el-Kubra, uma cidade industrial ao norte de algumas horas de carro do Cairo, encontra-se o que para muitos é o coração da revolução egípcia. "É a nossa Sidi Bouzid", diz Muhammad Marai, um sindicalista, referindo-se à cidade da Tunísia em que um vendedor frustrado acendeu um fogo que acabou por ser a faísca da revolução.

"De fato, as raízes da revolta popular que tirou do poder o ditador Hosni Mubarak, deve ser procurada no papel central que a cidade inundada durante anos pela poluição industrial teve no início de greves de trabalhadores e movimentos sociais de base que acabou se espalhando por todo o país. E é o coração simbólico do movimento de deriva rumo à revolução, uma onda de greves contra as desigualdades sociais e econômicas que levaram a paralisação de grande parte do Egito.

"Mais de 24.000 trabalhadores nas fábricas têxteis em dezenas de instituições públicas e privadas, especialmente na planta gigante no Egito Fiação e Tecelagem de plantas, foram a greve e ocuparam fábricas, durante seis dias em 2006, obtendo um aumento e alguns benefícios ligados à saúde. Atividades semelhantes ocorreram em 2007 ...

"Depois Mahalla em 2008, surgiu o primeiro ponto fraco do regime", disse Gamal Eid, da Rede Árabe de Direitos Humanos da Informação. "Nada foi o mesmo no Egito depois disso. '" ("Caldeirão do Egito, da Revolta" Anand Gopal, Foreign Policy).

Compare essa história com a narrativa oferecida pelos meios de comunicação dos EUA, segundo a qual  a revolução foi desencadeada por textos de twitter enviados para seus jovens amigos que vagavam excitados pelas ruas do Cairo. Grotesco. Essa revolução está enraizada na classe trabalhadora, então porque a imprensa está tão relutante em explicar o que realmente está acontecendo. Falar de "classe" é algo proibido na mídia dos EUA, porque isso aponta mais ou menos para os bolsos sem fundo dos "barões que criaram a desigualdade mais extrema já registrada na história. Ouça o que disse Michael Collins, no The Economic Populist:

"O Egito lançou uma série de reformas nos anos 90 que, deliberadamente, alteraram as coisas em detrimento dos trabalhadores e pequenos agricultores. O governo liquidou a preços de barganha as grandes empresas públicas. Os novos proprietários privados tinham pouco incentivo para manter as pessoas em seus empregos ou manter empregos no Egito. O governo adotou novas medidas para proteger os grandes proprietários de terras, deixando a sua sorte aos pequenos agricultores.

"Quando o conservador primeiro-ministro Ahmed Nafiz chegou ao poder em 2004, a situação se tornou desesperadora. Graças a um ato hostil ao mundo do trabalho no Egito aumentou a pressão sobre os trabalhadores industriais. O ETUF tinha pouco a oferecer, e muitas vezes anularam os votos para ir para a greve dos setores locais ...

"O movimento sindical, o mesmo que levou a greve de 2006 e sua sequência em 2007, convocou uma greve nacional em 06 de abril de 2006 a favor de aumentar o salário mínimo e para protestar contra a alta dos alimentos. O governo de Mubarak mandou a polícia, que assumiu a fábrica, na esperança de abortar a greve. E houve um conflito cheio de violência da polícia contra membros de sindicatos que convocaram uma greve. Os trabalhadores foram presos. Depois vieram os processos, acusações e condenações. Outros membros do sindicato continuaram o protesto.

"Um escritor egípcio, observou:" Na revolta de 06 de abril, as reivindicações dos trabalhadores, se sobrepunham às de toda a população. O povo exigiu uma queda nos preços dos alimentos e os trabalhadores exigiam um salário mínimo. "

"Além disso, o Movimento da Juventude de 06 de abril surgiu como um ator-chave na questão de definir os objetivos da greve nacional. É a mesma organização que tem sido central na mobilização de multidões em todo o país. "(" Forças por trás da Revolução Egípcia ", disse Michael Collins, o populista Económico).

Você vê? Não se trata de derrubar um ditador é uma guerra de classes. E isso ninguém fala nos meios de comunicação ocidentais.

A Revolução é uma indicação do auge do movimento operário organizado, e constitui um ataque frontal ao Consenso de Washington e ao regime, lançando o Egito no abismo, e colocando os trabalhadores numa situação limite. Nada aconteceu de um dia para o outro, essas forças foram se preparando durante muito tempo e a isca está presa agora.

É tanto uma luta pelos direitos dos trabalhadores e por poder político como uma luta por melhores salários e condições de trabalho. A renúncia de Mubarak incentivou as pessoas e robusteceu sua determinação de lutar por uma verdadeira mudança estrutural. É a sua oportunidade de moldar o futuro, e é por isso que Washington está muito preocupado. Este também foi o motivo que fez as ONGs apoiadas pelos EUA e seus agentes andarem tão diligentes nos esforços para derrubar Mubarak, porque eles acreditavam que suprimindo o tirano, poderiam apaziguar as massas e fazê-las voltar tranquilamente para suas fábricas e suas maquiadoras com um par de tapinhas nas costas. Mas não é assim que as coisas estão fluindo. Parece que os trabalhadores sabem intuitivamente que Mubarak é perfeitamente substituível, como peça mecanismo imperial. Até agora, não conseguiram acalmá-los, submetê-los ou cooptados, embora Obama e seu líder de gangue na junta, Tataui, continuem tentando, é claro. Aqui está um trecho da entrevista com o Professor Mona El-Ghobashy (de Barnard College) Democracy Now, útil para compreender melhor o contexto do que está acontecendo no Cairo.

"Essa rebelião tem uma pré-história. política egípcia, não começa em 25 de janeiro. A verdade é que tem sido afectado por uma extraordinária onda de protestos sociais pelo menos desde 2000. Esta não é de nenhum modo novo. De maneira nenhuma é um fenômeno pós-13 de fevereiro. É algo que vem ocorrendo há algum tempo, com picos em 2006 e 2008, o que confere um peso extra para o protesto que surgiu entre os funcionários, policiais e outros funcionários públicos ... O que isso mostra é que há uma convergência do tipo antigo de protesto com um ambiente político completamente transformado. Isso é o que elas significam ...

"Portanto, se queremos entender o significado do que aconteceu hoje, temos que fazer uma ligação com o tecido da política egípcia fixado em 2000 para dizer-lo rapidamente, mas os protestos vêm ocorrendo desde a década de 90. Um dos maiores protestos foi uma greve dos trabalhadores em pedreiras, em 1996, que realmente abalou o país na época. Naturalmente, ninguém se lembra que agora.

"Mas para voltar ao ponto que eu quero enfatizar, estamos entrando em um período, como observado por Issandr, em um momento verdadeiramente revolucionária na política egípcia: a Constituição e o Parlamento estão suspensos, mas, ao mesmo tempo, temos esta unidade na estrutura social que a maior parte do mundo e praticamente todos os setores da população estão levando para as ruas e olhando para aproveitar a oportunidade proporcionada pela política de mudança de regime, e estão fazendo isso porque eles já conheciam como  fazê-lo. Eles sabem como ocupar e acampar nas ruas. Eles sabem como negociar com ministros do governo. Sabem quantas pessoas tem que colocar em nas ruas para fazer um ministro do governo vá negociar na esquina. Por isso, é significativo, não porque o 13 de fevereiro seja um renascimento da política egípcia. "(Mona El-Ghobashy, Democracy Now).

A administração Obama não está manejando os destinos desta revolução, a verdade é que é  praticamente sem espaço de manobra. Os EUA tem pouco controle sobre os eventos de base, e todos os esforços estão focados no "controle de danos". Assim Obama segue com seus pronunciamentos tolos dia sim, e outro também, clamando aos manifestantes para agirem de forma pacífica, invocando as palavras de Martin Luther King para acalmar as águas. Mas ninguém presta atenção ao que Obama diz. É completamente irrelevante. Também não ouvem os desejos piedosos de Hilary Clinton para que o Congresso libere recursos para "ajudar o crescimento de partidos políticos laicos". Para que, se o cavalo já saiu do estábulo?

Tampouco o exército egípcio tem o controle, por isso estão a emitir declarações contraditórias, ora comemorando a vitória em Tahrir Square, ora ameaçando tomar medidas drásticas se as pessoas não retornarem para seus trabalhos. Quando os militares escolherem  uma determinada estratégia e começarem a reprimir massivamente os trabalhadores em greve, a verdadeira revolução vai começar e você vai ver uma nova realidade política. Nada galvaniza tanta atenção ou toca mais as raízes de classe que o sangue na rua.

E não há uma fórmula definida com antecedência, para liderar uma revolução, não há roteiro para o sucesso. Cada revolução é diferente, como as aspirações das pessoas envolvidas nelas. Rosa Luxemburgo estava perfeitamente ciente disto:

"A classe operária moderna não luta de acordo com um plano pré-determinado em um livro de teoria, a luta dos trabalhadores modernos é uma parte da história, uma parte do progresso social, e em meio à história, em meio ao progresso e em meio ao combate que  aprendemos como devemos combater ... Isso é o que é digno de louvor para a luta: por isso mesmo, esta peça colossal de cultura que é o movimento operário moderno define toda uma época histórica: as massas de pessoas trabalhadoras começam a forjar-se, a partir de sua própria consciência, a partir de suas próprias convicções e até mesmo de sua própria compreensão dos acontecimentos, as armas de sua própria libertação ".

O povo egípcio tem evitado um confronto aberto com as forças do governo como uma astúcia impressionante. Mas o perigo de medidas repressivas drásticas ainda é muito real. Os trabalhadores apresentaram suas reivindicações, e nesse novo ambiente de ativismo político, é altamente improvável que retrocedam, enquanto não alcançarem os seus objectivos. Eles não estão satisfeitos com a saída de Mubarak. Eles sabem que o "novo amo é semelhante ao velho amo." Como afirmou em seu manifesto, o Centro dos Sindicatos e Trabalhadores de Serviços, já não se trata apenas de um "salário digno" ou "assistência médica" o povo egípcio "se recusa a continuar vivendo uma vida de humilhações."

Um extrato do Manifesto dos sindicatos:

"... 300 jovens pagaram um preço com suas vidas pela nossa liberdade e nossa emancipação da escravidão humilhante que padecemos. E agora, o caminho, o caminho é conveniente para todos nós ... “

 
"Liberdade não é apenas uma exigência da juventude ... nós queremos liberdade para expressar nossas demandas e reivindicar os nossos direitos ... para encontrar uma maneira de gerir a riqueza do nosso país, os frutos roubados do nosso trabalho duro ... a fim de redistribuir com algum senso de justiça ... para que os diferentes setores oprimidos da sociedade possam conseguir mais do que aquilo que lhes é devido e não tenham que sofrer desnecessariamente de fome e doenças. "

O povo egípcio quer o que lhe é devido: a sua liberdade, sua dignidade e uma parte equitativa do bolo. E parece que eles são capazes de conseguir isso.

Mike Whitney é um analista político independente, que vive no estado de Washington e um colaborador regular da revista dos EUA
Traducción para www.sinpermiso.info: Mínima Estrella
Tradução do espanhol para o português de Sérgio José Dias
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.5 Brazil License.