Blog comprometido com as mais diversas lutas sociais do planeta, particularmente, o que diz respeito a luta pelo socialismo, a ampliação do uso dos software livre Gnu/Linux na busca pela expansão de nossa inteligência coletiva e da cultura livre, além da batalha pela melhoria das condições de vida da população brasileira, sobretudo, do povo negro.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Humilhada no Walmart, mulher negra acaba em Hospital

Por: Redação - Fonte: Afropress - 22/2/2011  

Osasco/SP - A dona de casa Clécia Maria da Silva, 56 anos, denunciou ter sido submetida a humilhações por parte de seguranças do Supermercado WalMart, da Avenida dos Autonomistas, em Osasco, ao ser tratada como ladra e ter sua bolsa revistada por um dos seguranças.

“Deixe ver essas bolsas”, teria dito o segurança, que não se identificou, ao segurar com força no seu braço à saída da loja. A dona de casa é negra e disse que, ao revistar sua bolsa, o homem teria dito: “Isso acontece mesmo com os pretos”.

Por causa da abordagem, em que as três bolsas que carregava foram retiradas das suas mãos e as mercadorias expostas, e com a aglomeração das pessoas que se formou, dona Clécia passou mal e teve que ser removida para o Hospital Montreal, pela ambulância do serviço de saúde do Supermercado.

Ela permaneceu internada cerca de 4 horas – entre as 18h52 e 22h50. A médica que a atendeu, Daniela Camargo, diagnosticou hipertensão e disse a Érica Patrício da Silva, a nora que foi chamada para socorrê-la, que ela esteve muito próxima de sofrer um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

O caso aconteceu na quarta feira, dia 16 de fevereiro, e a ocorrência foi registrada na sexta-feira, dia 18/02, no 9º Distrito Policial de Osasco, em Presidente Altino.

Humilhação e vergonha

Segundo dona Clécia, ela estava com o cupom fiscal na mão, comprovando que havia pago R$ 10,47 "por uma bisnaguinha, um pão pulmann e três suportes de botijão". “Quando eu saí fora, veio um segurança, pegou no meu braço. Depois pegou a minha bolsa e falou: “Isso acontece mesmo com o s pretos”. Todo mundo olhando prá mim. Fiquei muito nervosa. Não estava agüentando mais ficar de pé. Depois, quando viram que eu estava passando mal, vieram e me deram uma água quente da torneira. A pressão subiu muito e eu estou abalada até hoje”, afirmou.

A dona de casa mora na Vila Serventina e disse que, habitualmente, faz compras na loja do Walmart.

Por causa da crise hipertensiva desencadeada pelo episódio, dona Clécia, que é evangélica, teve de retornar ao Hospital no sábado, dia 19/02, quando voltou a ser medicada. “Não sei porque eles fizeram isso comigo. Ele me obrigou a abrir a bolsa, e depois que viu que não estava levando nada e que havia pago tudo, assinou o canhoto da comprinha que eu fiz”, contou.

Depois que começou a passar mal e viu que ia desmaiar, ela disse que só teve tempo de pedir por socorro para a nora, que normalmente a acompanha ao supermercado. Érica disse ter ficado assustada quando recebeu o telefonema.

“Ela me ligou desesperada. Venha aqui no Walmart, pelo amor de Deus. Quando cheguei a gerente do supermercado estava com a bolsa dela na mão. Eles estavam tratando dona Clécia como uma ladra, pelo traje que ela estava vestida e pelo fato de ser negra”, acrescentou.

Segundo ela, foi a própria ambulância do da loja que levou dona Clécia para o Hospital. “Quando viram que ela estava passando mal, vieram os seguranças todos, veio o chefe dele e mandou que eu calasse a boca e que devia ficar quieta, porque o importante era levá-la ao Hospital”, contou.

Erica contou que a médica que atendeu disse que a pressão estava muito alta e que se demorasse um pouquinho teria um AVC. Indignada, ela disse que chamou uma viatura da Polícia Militar, no próprio Hospital, e foram os policiais militares que a orientaram a registrar a queixa na Delegacia de Polícia.

Providências

Ainda abalada, e com marcas nos braços do soro e do medicamento que tomou no Hospital, dona Clécia, disse que quer Justiça, para que o que aconteceu com ela não se repita mais com ninguém.

A rede de supermercados Walmart – que está no Brasil desde 1.995 - ficou em primeiro lugar no ranking das 500 maiores empresas globais de 2010, segundo a revista norte-americana Fortune. Com faturamento estimado em US$ 408,214 bilhões, está presente no Brasil em 18 Estados das regiões Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul, além do Distrito Federal, com mais de 400 lojas e emprega cerca de 80 mil pessoas.
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.5 Brazil License.