Blog comprometido com as mais diversas lutas sociais do planeta, particularmente, o que diz respeito a luta pelo socialismo, a ampliação do uso dos software livre Gnu/Linux na busca pela expansão de nossa inteligência coletiva e da cultura livre, além da batalha pela melhoria das condições de vida da população brasileira, sobretudo, do povo negro.

quarta-feira, 23 de março de 2011

MP investiga intolerância religiosa em escola infantil de Camaçari

Idealizador da escola, tata Ricardo Tavares, defende que o ensino religioso cabe aos pais
O Ministério Público (MP-BA) informou nesta terça-feira, 22, que irá notificar a Secretaria da Educação de Camaçari para que o gestor da pasta, Luiz Valter Lima, se posicione sobre as denúncias de prática de intolerância religiosa contra a Escola Municipal Zumbi dos Palmares. A instituição de ensino infantil, primeiro colégio fruto de convênio entre prefeitura e um terreiro de candomblé, foi inaugurada há apenas um mês.
A escola tem capacidade para 100 alunos da educação infantil a primeira série do ensino fundamental I, e está com 78 estudantes matriculados. Segundo o tata Ricardo Tavares, no dia da inauguração um grupo evangélico e moradoras do bairro se reuniu em frente à escola com faixas e bíblias pedindo o fechamento da escola. “Eles espalham pela comunidade que as crianças vão começar a sumir, convocam as pessoas para reuniões com carros de som e vão até as casas dos pais e professores pedir que deixem a unidade”.
Para a promotora, em exercício, da coordenadoria de Combate ao Racismo, Márcia Virgens, esse tipo de agressão configura-se como prática de intolerância religiosa. “Vamos ouvir os envolvidos, inclusive os acusados e apurar os fatos. O que foi exposto é muito grave, por isso, vamos expedir uma recomendação administrativa à Prefeitura de Camaçari para que ações dessa natureza sejam coibidas com rigor”, afirmou.
A Secretaria da Educação de Camaçari, antes da ação do MP-BA, informou que não iria agir sobre as denúncias pois se tratavam de iniciativas isoladas. “O nome da escola é uma homenagem justa a um marco da libertação. Só vamos mudar isso se houver uma manifestação de desejo coletivo da comunidade e não pela ação de alguns poucos intolerantes religiosos”, destacou o informe.
Socioambiental - Segundo testemunhas, as ações contra a escola são feitas pelo líder religioso e comunitário Arailton Rodrigo Rodrigues. A TARDE tentou contato com Rodrigo por telefone, mas ele não retornou a ligação.
Porém, em blog mantido por ele, postagens informam que os ataques não têm caráter religioso, e sim socioambiental, e pede a notificação da prefeitura por considerar a construção da escola irregular, informando que a área está contaminada com resíduos tóxicos do Polo Petroquímico de Camaçari.
Em junho de 2006, um caminhão-tanque despejou substâncias tóxicas na área onde hoje está localizada a escola. Segundo relatório da Cetrel, empresa responsável pela limpeza e monitoramento, a região foi descontaminada.
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.5 Brazil License.