Blog comprometido com as mais diversas lutas sociais do planeta, particularmente, o que diz respeito a luta pelo socialismo, a ampliação do uso dos software livre Gnu/Linux na busca pela expansão de nossa inteligência coletiva e da cultura livre, além da batalha pela melhoria das condições de vida da população brasileira, sobretudo, do povo negro.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Bolsas de estudo no exterior, inscrições até 15 de janeiro 2012

Fonte: blog.planalto



Presidenta Dilma Rousseff lançou hoje editais de seleção do programa Ciência sem Fronteiras. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR
A presidenta Dilma Rousseff lançou hoje (13) os editais de seleção para 12,5 mil bolsas de estudo no exterior, que vão beneficiar alunos de graduação de universidades públicas e privadas. As bolsas fazem parte do programa Ciência sem Fronteiras, que vai oferecer, até 2014, 101 mil bolsas para que estudantes e pesquisadores possam aprimorar seus conhecimentos nas melhores universidades do mundo. A iniciativa privada já superou a meta inicial e vai apoiar 26 mil estudantes, sendo 6,5 mil beneficiados pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban).
“O Ciência sem Fronteiras é fundamental para o futuro do Brasil, na medida em que investe na qualificação profissional nas áreas das ciências exatas, o que tem impacto positivo na produtividade do país”, avaliou o presidente da Febraban, Murilo Portugal.
Já a Petrobras vai conceder cinco mil bolsas, um reconhecimento de que as oportunidades que surgem no Brasil na área de energia vão demandar tecnologia de ponta.
“E tudo isso só se materializa com recursos humanos qualificados”, afirmou o gerente-executivo da Petrobras, Carlos Tadeu Fraga.
O primeiro edital do Ciência sem Fronteiras já selecionou, em caráter experimental, candidatos para cursos de graduação na modalidade “sanduíche” em universidades norte-americanas. A chamada pública, coordenada pela Capes, recebeu mais de sete mil inscrições e selecionou 1,5 mil estudantes. Daniel de Paula Lopes é um deles. Estudante de Engenharia Mecânica e Aeronáutica no ITA, ele se prepara para passar um ano em Iowa (EUA).




Nesta primeira seleção, foi exigido que os estudantes apresentassem proficiência em língua inglesa com nota igual ou superior à solicitada, o formulário de inscrição no Institute of International Education (IIE) preenchido, a matrícula em curso nas áreas contempladas pelo Ciência sem Fronteiras, e a inscrição homologada pela instituição de ensino no Brasil.
A estudante Roberta Melo Couto, aluna de Engenharia Química da Universidade Federal de Sergipe, preencheu os requisitos e passará um ano em Michigan (EUA).


Primeira fase – Os editais lançados hoje pela presidenta Dilma em cerimônia no Palácio do Planalto vão beneficiar apenas estudantes de graduação para instituições de ensino superior dos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Itália e França. As oportunidades são em cursos de graduação na “modalidade sanduíche”, quando os estudantes cursam um ano no exterior. A previsão é que cada um dos países ofereça para graduação, até 2014, 10 mil bolsas, sendo que para os Estados Unidos a previsão é de 18 mil.
O período de inscrições será de 13 de dezembro de 2011 a 15 de janeiro de 2012. A expectativa é que, a partir de março de 2012, os estudantes selecionados já estejam nos países de destino, sobretudo quando houver necessidade de frequentar cursos de idiomas, que foram incluídos nas bolsas.
Para se candidatar às bolsas no exterior, os estudantes devem atender aos requisitos definidos por edital de seleção. Para ser contemplado, ele deverá ter sua candidatura homologada pela instituição de ensino em que estuda no Brasil. A homologação é necessária, pois, ao regressar ao país, a instituição brasileira deverá validar os créditos obtidos pelo estudante no exterior para garantir a continuidade do curso.
Cientistas - Dois outros editais foram lançados com o objetivo de trazer estrangeiros ou brasileiros que atuam no exterior. O primeiro, Atração de Jovens Talentos, busca atrair e estimular a fixação, no Brasil, de jovens pesquisadores residentes no exterior, preferencialmente brasileiros, que tenham destacada produção científica e tecnológica.
O segundo, Pesquisador Visitante Especial (PVE), busca fomentar o intercâmbio e a cooperação internacional visando o fortalecimento das pesquisas em temas prioritários por meio de parceria com lideranças internacionais. O objetivo é trazer para o Brasil pesquisadores de alto nível, que se destacam na área onde atuam.
Mais informações no site www.cienciasemfronteiras.gov.br. [5]

[6] Imagem: http://www.youtube.com/watch?v=ZEupUaavTXA
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.5 Brazil License.