Blog comprometido com as mais diversas lutas sociais do planeta, particularmente, o que diz respeito a luta pelo socialismo, a ampliação do uso dos software livre Gnu/Linux na busca pela expansão de nossa inteligência coletiva e da cultura livre, além da batalha pela melhoria das condições de vida da população brasileira, sobretudo, do povo negro.

terça-feira, 17 de abril de 2012

Bancos não abrem mão da agiotagem

Fonte: portalctb

Por Wagner Gomes

A presidenta Dilma acertou na mosca ao criticar os juros extorsivos cobrados pelo sistema bancário nacional, que são os mais altos do mundo. Apesar da redução da taxa básica (Selic) promovida pelo Banco Central, o chamado spread bancário, que significa a diferença entre o que as instituições pagam para captar dinheiro e a taxa de juros que cobram nos empréstimos a empresas e consumidores, permanece nas alturas.

Os juros médios incidentes sobre cheque especial e nas linhas de crédito pessoal subiram no mês passado em comparação com fevereiro, segundo pesquisa divulgada nesta quarta-feira (11) pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac). Na média, a taxa cobrada às pessoas físicas ficou em 6,33% ao mês ou 108,87% ao ano, quase 11 vezes superior à Selic, que foi reduzida a 9,75% pelo Comitê de Política Monetária do BC no dia 7 de março.

Tecnicamente, como denunciou a presidenta, não há justificativa para esta conduta dos bancos, que traduz uma espécie de agiotagem institucionalizada. O governo não ficou nas palavras. Determinou aos bancos públicos (Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal) a redução das taxas para quebrar o oligopólio constituído no ramo em torno das taxas exorbitantes e forçar a concorrência.

A oligarquia da agiotagem não gostou. Chorando de barriga cheia, os bancos privados alegam que não têm condições de reduzir o spread sem uma contrapartida do governo e apresentaram ao Ministério da Fazenda uma lista de 20 reivindicações, entre elas a desoneração tributária da intermediação financeira (IOF e Confins) e a redução gradativa dos depósitos compulsórios. 

Ora, quem precisa de contrapartida nas medidas adotadas pelo governo em benefício dos empresários é a classe trabalhadora, sobre quem os capitalistas descarregam praticamente todo o ônus da crise, com demissões, redução de direitos e de salários e alongamento das jornadas. O mínimo que se deve fazer para minorar o sofrimento das famílias trabalhadoras, em tais ocasiões, é garantir o emprego, compromisso que o empresariado não quer assumir.

A verdade é que os banqueiros, embriagados pela ganância, não querem abrir mão sequer de um centavo dos lucros colossais que auferem e mal disfarçam o desejo de abocanhar um pouco mais forçando novas renúncias fiscais da União. Conforme levantamento da consultoria Economática, divulgado nesta quarta (11), o lucro do setor bancário brasileiro, que reúne 25 instituições financeiras, bateu novo recorde em 2011: foi de R$ 49,4 bilhões, com alta de 14% na comparação com 2010.

Conforme a Economática, tal desempenho, num ano em que a indústria de transformação praticamente estagnou (com crescimento pífio de 0,3%), corresponde ao maior lucro acumulado entre as empresas de capital aberto do país. No conjunto, as empresas analisadas registraram uma queda de 2,64% no lucro. Ou seja, graças aos juros extorsivos, os bancos engordaram os ganhos num ano crítico para a economia. É muito mais rentável investir no sistema financeiro que na produção.

A iniciativa dos bancos públicos, que já anunciaram a redução das taxas para várias modalidades de crédito, mostra que o chororô dos bancos privados não procede. O pronunciamento da presidenta contra a ganância excessiva da nossa oligarquia financeira merece todo apoio da nossa classe trabalhadora. A CTB continuará lutando, ao lado das outras centrais e amplas parcelas da nossa sociedade, para a redução da taxa básica dos juros, dos spreads abusivos e dos lucros auferidos pelo sistema financeiro em detrimento do consumo e da produção.

Wagner Gomes é presidente nacional da CTB
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.5 Brazil License.