Blog comprometido com as mais diversas lutas sociais do planeta, particularmente, o que diz respeito a luta pelo socialismo, a ampliação do uso dos software livre Gnu/Linux na busca pela expansão de nossa inteligência coletiva e da cultura livre, além da batalha pela melhoria das condições de vida da população brasileira, sobretudo, do povo negro.

terça-feira, 22 de maio de 2012

Pirate Pay, startup russa com apoio da Microsoft, tenta barrar downloads via torrents




Fonte: hardware


Uma startup russa presta um serviço de proteção de arquivos que são compartilhados por torrent. A Pirate Pay (nome curioso, não?) é patrocinada pela Microsoft, tendo recebido um investimento de US$ 100 mil dela.
Os métodos de trabalho não foram revelados com detalhes, mas pelo pouco divulgado dá a entender que ela se oferece como se estivesse distribuindo os arquivos desejados. Os clientes são desconectados depois de várias tentativas de baixar dos seus servidores, que para o mundo real são vistos como peers legítimos. Sendo assim, os arquivos "protegidos" são mais difíceis de serem baixados.
Site da Pirate Pay
A empresa alega que conseguiu proteger pelo menos 44.845 cópias do "Vysotsky. Thanks to God, I’m alive". O número de cópias que acabaram sendo baixadas, no entanto, é desconhecido. Dois estúdios que já contratam os serviços dela são Walt Disney e Sony. O custo real não foi detalhado, mas varia de caso para caso. Dependendo dos objetivos do projeto pode variar de $12 a $50 mil dólares.
Antes de lançar este serviço os desenvolvedores da Pirate Pay trabalharam num sistema de gerenciamento de tráfego para filtrar downloads de torrents, destinado a implantação em provedores. Tudo ligado à área.
A Pirate Pay não é a única empresa do gênero. A MediaDefender, atual Peer Media, também tenta enxugar o gelo de forma parecida.
Os métodos de bloqueio dessas empresas devem dar muita dor de cabeça para quem tenta baixar os arquivos "protegidos", mas é difícil imaginar que sejam eficazes. Seria melhor para a indústria de conteúdo digital oferecer incentivos nas ofertas legais (reduzindo os preços) do que tentar barrar a pirataria dessa forma, como bem lembrou o Ernesto do Torrent Freak.
RELACIONADOSpiratebay e torrent
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.5 Brazil License.