Blog comprometido com as mais diversas lutas sociais do planeta, particularmente, o que diz respeito a luta pelo socialismo, a ampliação do uso dos software livre Gnu/Linux na busca pela expansão de nossa inteligência coletiva e da cultura livre, além da batalha pela melhoria das condições de vida da população brasileira, sobretudo, do povo negro.

domingo, 12 de agosto de 2012

Contra onda de paralisações

O que Dilma está fazendo, é um aborto. Todos sabem que em um momento de crescimento econômico, o movimento sindical se revigora e as greves se tornam inevitáveis. Ao lado de Dilma, está todo o empresariado preocupado que as reinvindicações e moblizações trabalhistas se ampliem e alcancem o setor privado. Triste ver o PT, partido saído do ventre do sindicalismo, cumprir o papel de abortar seu renascimento.


Fonte: odia
Estados e prefeituras começam a se articular para evitar decretação de greves regionais

Por Alessandra Horto

Rio - A decisão Superior Tribunal de Justiça (STJ) de autorizar o corte de ponto dos servidores federais em greve criou efeito dominó nas prefeituras e nos estados que já buscam alternativas para impedir a deflagração de paralisações regionais. Na quinta-feira, por exemplo, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) concedeu liminar à Secretaria Estadual de Educação,determinando que o Sindicato Estadual de Profissionais de Educação do Rio (Sepe) retirasse de imediato do seu site a convocação para a paralisação de 24 horas na rede, sob pena de multa de R$ 30 mil.

Policiais federais promovem até quarta-feira operação-padrão no Terminal 1 do Aeroporto Internacional Tom Jobim. Todos os passageiros vão ser revistados antes do embarque | Foto: André Luiz Mello / Agência O Dia

Regulamentação

Para o analista Político do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), Antônio Augusto de Queiroz, a guerra de liminares judiciais que ora beneficia empregadores e ora favorece servidores é provocada pela falta de regulamentação da greve no serviço público.

“Seria uma situação muito mais confortável para a sociedade se os servidores soubessem quais são os seus direitos em um momento de paralisação. E, também, se os governos conhecessem quais são os seus limites em um período de greve do funcionalismo público. Do jeito que está, as carreiras sofrem atropelos por conta da falta de regulamentação. Todo o processo seria muito mais claro”, argumenta Queiroz.

Em cima da hora

O analista político aponta ainda que o governo tem parcela de culpa na onda de greve dos servidores federais que, em algumas carreiras, já ultrapassou 80 dias. “Houve demora no anúncio da reserva orçamentária para despesa com pessoal de 2013. O silêncio do governo soou como ausência de aumento no próximo ano, ocasionando receio das carreiras e estimulando a greve como forma de pressionar a presidência”, disse Antônio de Queiroz.

Ele destaca que a intenção do governo é reduzir de 4,2% para 4,1% do PIB a proporção dos gastos com pessoal em 2013: “Considerando a previsão de crescimento de 4% no próximo ano, haveria reserva de R$ 15 bilhões, contudo, a proposta do Palácio é gastar cerca de R$ 8 bilhões”.

Medidas são classificadas como agressão à Constituição

“É óbvio que a decisão do STJ teria impacto no Estado e na Prefeitura do Rio. A intenção é, desde agora, enfraquecer qualquer tentativa de greve por parte dos professores. Defendemos que o Judiciário tenha o mesmo tratamento quando as representações entram com pedidos de liminares, para que nossos direitos sejam garantidos. O tratamento diferenciado fere a Constituição”, defende Alex Trentino, coordenador do Sepe.

O presidente da Associação de Praças da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, Vanderlei Ribeiro, reivindica que é necessário regulamentar a greve: “A ausência de uma regra faz, por exemplo, militares serem expulsos por defender aumento salarial”.
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.5 Brazil License.