Blog comprometido com as mais diversas lutas sociais do planeta, particularmente, o que diz respeito a luta pelo socialismo, a ampliação do uso dos software livre Gnu/Linux na busca pela expansão de nossa inteligência coletiva e da cultura livre, além da batalha pela melhoria das condições de vida da população brasileira, sobretudo, do povo negro.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Carta da Juventude do Complexo do Alemão ao comitê da UPP

Fonte: vozdascomunidades

Por Thamyra Thamara



Durante décadas o Estado não reconheceu os territórios, hoje então ocupados, como parte integrante da cidade, negando aos seus moradores uma cidade de direitos. Hoje depois de 2 anos de ocupação da segurança pública no território, percebemos que ainda temos um longo caminho a seguir na garantia de direitos básicos como:
- direito a exercer e produzir práticas culturais em seu território, direito a produzir representação social, direito a liberdade de expressão, direito a liberdade de ir e vir, não violação do domicílio, esclarecimento de mortes, entre outros.
O #OcupaALEMÃO é um ato pacífico que tem como objetivo estreitar o diálogo entre a juventude e o poder de segurança pública no território, com o intuito de minimizar os impactos de confronto, desrespeito, desacato e abuso de poder.
Como juventude favelada, do Complexo do Alemão, propomos a criação de um comitê, formado pela sociedade civil organizada e moradores, com o intuito de mediar conflitos entre a polícia e a juventude. Esse comitê será responsável em receber possíveis denúncias de desrespeito ao morador, violação do lar, abuso de poder, ameaças, entre outros . E repassar as denúncias para a Unidade de Polícia Pacificadora -UPP , por meio de um diálogo para melhorias .
Tendo em vista que violação de direitos acontecem todos os dias nas favelas do Rio de Janeiro e o morador, em sua maioria, não tem para quem denunciar. E quando existe uma instância de poder no território ele se sente intimidado. Como denunciar a polícia para a própria polícia? Portanto esse comitê formado pela sociedade civil organizada e moradores, será uma ferramenta de mediação de conflito dentro da comunidade.
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.5 Brazil License.