Blog comprometido com as mais diversas lutas sociais do planeta, particularmente, o que diz respeito a luta pelo socialismo, a ampliação do uso dos software livre Gnu/Linux na busca pela expansão de nossa inteligência coletiva e da cultura livre, além da batalha pela melhoria das condições de vida da população brasileira, sobretudo, do povo negro.

terça-feira, 25 de março de 2014

Paulo Lins: A democracia no Brasil só é boa para a classe média branca

Fonte: brasildefato

Prefeitura de Votuporanga
Autor de Cidade de Deus e Desde que o Samba é Samba assume, sem medo, que a saída da ditadura não mudou a situação do negro, fala da inserção dos  afro-brasileiros na sociedade pela cultura e critica a polícia brasileira. “90% é corrupta, tudo bandido”
25/02/2014
por Igor Carvalho,
da Revista Fórum
Paulo Lins correu o mundo com seu filho mais ilustre, o livro Cidade de Deus, de 1997. Por conta do filme homônimo, se tornou famoso internacionalmente, fazendo cumprir a profecia de João Moreira Salles, que via em sua obra um paradigma da cultura brasileira.
Com o passar do tempo, Lins reforçou sua preocupação com a sua ancestralidade africana. Recentemente, lançou Desde que o Samba é Samba, que congraça o encontro do samba e da umbanda na formação da identidade cultural do brasileiro. O escritor, que se tornou referência no debate sobre questões raciais e sociais no Brasil, tem um riso fácil e sempre disposto, que só encontra adversário à altura quando o assunto é violência policial e o genocídio da população negra e pobre no Brasil.
“A democracia não foi boa para o negro, vivemos em um Estado policial, é guerra o tempo todo. Você falar que continuamos em uma ditadura é politicamente incorreto, mas é verdade, a democracia no Brasil só é boa para a classe média branca”, afirma o escritor, que acaba de lançar Era uma vez…Eu.

Fórum – Em Desde que o samba é samba, você fala da inserção do negro na sociedade por meio da arte e da religião. Estes ainda são os meios de o negro ascender socialmente, junto com o futebol?
Paulo Lins – O futebol é problema seu [risos]. O futebol é esporte, não é a cultura de um povo. A cultura de um povo é você ter as histórias e as crenças que seu bisavô tinha. A arte é a mãe da sociedade, de qualquer sociedade, e quem fala isso é o Octávio Paz, não sou eu. As duas coisas insubstituíveis na vida são a arte e os deuses. Se a gente resolver jogar uma bomba naquela igreja católica ali, vamos arrumar uma confusão dos diabos. Mas, por outro lado, o negro ainda é atacado por sua religião, no Brasil. E a religião é algo que nos fortalece, por essa ligação com os nossos antepassados.
Vamos voltar lá atrás, em uma época que os negros eram arrancados de casa e trazidos para o Brasil, na condição de escravos. Estávamos em guerra, a escravidão foi uma guerra. Nesse cenário, se o cara consegue minar sua cultura, ele domina você. Os franceses conseguiram isso no Caribe. Em Guadalupe, os negros ficaram sem seus deuses, não tem Oxalá, não tem batuque, não tem a cultura africana e estão dominados, são discriminados e considerados cidadãos de segunda classe. O Paz fala que tudo é substituível, menos a arte, a casa substituiu a oca, o carro substituiu a carroça, a metralhadora substituiu o tacape, mas a Ilíadanão substituiu a Odisseia, o Grande Sertão Veredas não substituiu Macunaíma, assim como Deus não substituiu Oxalá e nem Ogum a São Jorge. A cultura como sentimento de um povo, é disso que eu quero falar, um povo que tem a cumplicidade de acreditar no mesmo Deus.
Fórum – O samba é, então, o elemento que colabora para a afirmação da identidade do negro?
Lins – O samba, o maracatu, a capoeira e outros elementos que conseguimos inserir aqui, que queriam nos tirar, mas resistimos. As escolas de samba são a maior festa e o que traz mais turistas, a umbanda está no mundo todo. Olha o samba, que é a festa de uma nação, de um povo, não tem samba na Argentina, tem tangos lindos, mas samba é daqui, isso é o nosso sentimento. O samba de toda uma cultura de uma raça… Ah, hoje não se fala mais raça, ficou fora de uso, vai entender.
Olha o poder do samba. A política sempre negociou com os líderes, ela tem que negociar com os líderes. Quando o negro começa a votar, os políticos descobrem que precisam negociar com os líderes negros, que são sambistas e mães-de-santo. A força política do voto negro se dá por meio do samba e da religião. Tem uma lei de um deputado chamado Nicanor Nascimento, em 1935, acho, permitindo que o Candomblé funcione por conta da força política das mães-de-santo.
Fórum – Por que tanta gente se incomodou quando você falou da homossexualidade do Ismael Silva, no livro
Lins – Porque são homofóbicos.
Fórum – Você falou da perseguição ao samba. É possível encontrar similaridade com o que é feito, hoje, com o funk e o rap?
 Lins – A discriminação é a mesma. O Brasil é um país racista e a aglomeração de negros nunca é bem vinda por aqui. Veja bem, a favela é o resultado do encontro desses negros, favelados, tem os bandidos, ali estão as pessoas mais sacrificadas da sociedade e o resultado não poderia ser diferente do que uma música que agride.
Fórum – Você, Mano Brown, Sérgio Vaz, Ferréz, serão sempre procurados para opinar sobre assuntos que vão para além da arte que produzem, como violência, racismo, polícia… Isso o incomoda?
 Lins – Não me incomoda. Tenho que falar disso, quero falar disso, se nós não falarmos, quem vai falar? O Ferréz tem problema com isso, não gosta de falar somente desse assunto. Aliás, pode me perguntar, está demorando, eu quero responder [risos].
Fórum – Pergunto, então. Onde está a luta dos movimentos negros, hoje?
Lins – Vivemos um tempo em que há uma inserção social do negro no teatro e no cinema, sem falar necessariamente de violência. Nossas causas estão nos livros, na internet, nos jornais, então isso mostra que os negros seguem lutando. Vivemos, após a democracia, um compasso de espera, porque a democracia seria uma panaceia, um remédio para todos os males. Quando o [José] Sarney entrou [em 1985, assumiu a presidência da República], a esquerda e os movimentos tiveram que parar e se pensar. Essa democracia teria que nos trazer uma vida social e política equilibrada, mas não deu certo, não mudou nada. Mudou a liberdade de expressão, isso sim. Mas isso é bom pra classe média, porque pra gente continua a mesma coisa, os negros e pobres passando fome e morrendo na mão da polícia, percebe que é a mesma coisa? Mudou o que a democracia? ‘Ah, vivemos em um Estado livre’. Que nada, só quem pode qualquer coisa nesse país é rico, é branco. A democracia não foi boa para o negro, vivemos em um Estado policial, é guerra o tempo todo. Você falar que continuamos em uma ditadura é politicamente incorreto, mas é verdade, a democracia no Brasil só é boa para a classe média branca.
Fórum  Você está falando do óbvio descaso com a população pobre e negra no Brasil. Qual sua opinião sobre programas sociais como o Bolsa Família ou o Mais Médicos? 
Lins  Existe uma questão de erradicar a fome. O Lula falou isso. Houve avanços significativos na gestão dele, é inegável, muita gente subiu de classe social e é isso que a esquerda quer. Acho que seria importante termos algo mais unificado democrata, um socialismo, não esse capitalismo que está aí. Vivemos o tempo dessa economia virtual, com fortunas concentradas em bancos. Ninguém está feliz, você pode ter momentos de felicidade, mas a sociedade está triste, está com medo, está pressionada. É manifestação, porrada, a imprensa brigando, grupos querendo ganhar mais, políticos corruptos, vivemos um modelo que não deu certo.
Fórum – E a polícia…
Lins  Aí é guerra. Vivemos em guerra o tempo todo, cara. Nos anos 70, ainda na ditadura, teve a Guerra das Malvinas, o número de mortos nem se compara com os nossos. Morre mais gente nas mãos da polícia do que em guerras pelo mundo. É um genocídio, ninguém mata mais, no Brasil, do que a polícia. O Estado é nosso maior assassino.
Fórum  Estava lendo uma declaração sua, de 2009…
Lins  Isso é uma merda, né? [risos] Tu fala uma coisa, lá em 2009, nem lembra, em outro contexto e é cobrado por ela. Vai dar tudo certo, se eu falei, é isso…
Fórum  Bom, você disse que a violência policial existe, mas que não acredita em um poder paralelo, porque ele está dentro do poder. É isso?
Paulo Lins  Isso mesmo. Eu tinha razão [risos]. Nunca existirá poder paralelo sem corrupção. 90% da polícia é corrupta, tudo bandido. Aí vão me dizer que tem policial honesto… Tem nada, se não são, pecam por serem corporativistas. É muita propina, para tudo, cara. Ninguém fala em tráfico de armas nesse país, como uma arma produzida na Europa entra aqui? Como nossas armas saem para a América do Sul? Então, o crime se alimenta da polícia.
Fórum  Manifestações. O que você pensa sobre os protestos no Brasil?
Lins  Tenho que citar o Mano Brown, tem uma música dele, que não lembro qual agora, em que ele fala que ninguém está feliz. O povo está na rua porque não está feliz. A felicidade é muito complexa, né? Vivemos numa sociedade desequilibrada que está tentando pedir as coisas mais necessárias, como comer bem, ter saúde, educação, é básico. Mas tinha gente pedindo pena de morte e redução da maioridade penal, cara. Não concordo, mas acho que faz parte desse desequilíbrio, não posso questionar uma pessoa que perdeu um parente, um amigo num assalto a mão armada. É muito doído, cara. Eu vivi a dor do [Marcelo] Yuka,  sei o que a família dele passou, e isso é fruto dessa sociedade infeliz. Você não está na Alemanha, onde tem problemas, mas a seguridade social existe.
Fórum  O que é a “neo-favela” de que você fala?
Lins - São, de certa forma, os conjuntos habitacionais que começaram a ser construídos pelos militares. A Cidade de Deus, no Rio, em São Paulo, a Cohab e o Cingapura. É um outro tipo de isolamento, que não funciona, aqueles apartamentos mínimos. Sou a favor de que se urbanize, que se leve asfalto, mas tem que ter estrutura, não qualquer coisa, de qualquer jeito. São esses isolamentos que chamo de “neo-favela.”
Fórum  E a UPP?
Lins  UPP é coisa de playboyzinho, né cara? [risos]. É de uma idiotice sem limites. A UPP, se vermos a ideia original, era interessante, mas como foi aplicada é uma imbecilidade. Já vi o [José Maria] Beltrame [secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro] falando umas baboseiras, que a polícia não pode só ocupar, que tem que levar outros benefícios, mas não tem nada disso. Falta saneamento básico, escola de qualidade, bibliotecas, serviço médico competente, creches. Falta, também, treinamento decente, que humanize o policial, não existe isso. Tô fora do Rio de Janeiro e agradeço, não pelo governo de São Paulo, o governador aqui é um imbecil também. O governador aqui é um imbecil também, pois no dia em que um garoto negro da favela matou outro garoto branco de classe média aqui em Perdizes ele foi na televisão no mesmo dia e disse que isso era por causa da impunidade, que tinha que aumentar a idade penal. Todo mundo fica triste quando ocorre um crime desse, a sociedade toda sofre, pois todo mundo tem família e amigos e, falando isso, ele tira toda responsabilidade de sua gestão e todas que foram do PSDB aqui em São Paulo. O garoto que atirou nasceu no governo deles, é fruto dessas administrações capengas de seu partido no estado. A cidade está toda comovida e ele me vem com essa, é claro que no calor da tristeza as pessoas pensam em até fazer justiça com as próprias mãos. Aumentar a idade penal não vai suprir as deficiências do PSDB com as causas sociais.Sei lá o que acontece. Poxa, se eu me candidato a um cargo público, vou lá para ajudar, esses caras não estão preocupados em resolver nada, ajudar ninguém, só querem poder e dinheiro.
Fórum – Você não vê exceções?
Lins - Nada. Quem governa hoje é marqueteiro, ele quem diz como você vai se comportar, como ganhar mais pontos na pesquisa. Não temos mais estadistas, acabou a era dos estadistas no Brasil, são todos submissos às táticas do marketing.
Fórum  Como vê as gestões de Lula e FHC?
Lins  Era, no momento que ganharam, o melhor que tínhamos. Já pensou, ao invés de Fernando Henrique Cardos, o Antônio Carlos Magalhães? E se ao invés do Lula fosse o Alckmin? Nossa. E olha, no fim, PT e PSDB se parecem muito. Ficam com esse poder fracassado, de fazer acordos absurdos para compor maioria, que está condenado.
Fórum  Vamos falar de Cidade de Deus?
Lins  Vamos. Agora.
Fórum – Quando terminou e leu o livro, você em algum momento achou que poderia ter a dimensão que teve?
Lins – Entreguei o livro na casa de uma editora, que tem uma agência literária, em Ipanema, no Rio. Estava de frente para a praia e saí, mas não sabia para onde ia. Fui parar na casa de uma amiga e parecia que tinha tido um filho, uma moleza absurda, cara. Acreditava, naquela época, que era um livro de consulta, voltado para a academia, que poderia ser usado em História, Antropologia e Sociologia.
Um tempinho depois, o João Moreira Salles foi em casa para gravar minha participação no documentário Notícias de uma guerra particular, e ele olhou para mim e disse: “Cara, você vai ser conhecido no mundo inteiro por causa desse livro”. Eu dei risada. “Esse cara usou droga pesada”, eu pensava [risos]. Roberto Schwarz [crítico literário]  já tinha me falado, mas eu pensei só no mundo acadêmico. Bom, um dia minha editora me liga e disse que o livro ia sair com 6 mil exemplares, mas eram 3, antes. Daí, pulou para 10 mil, 50 mil e perdi o controle.
No carnaval de 1997, Caetano Veloso, Cacá Diegues, Zezé Motta e Hermano Vianna vieram falar comigo no sambódromo, durante as filmagens de “Orfeu da Conceição”, filme de Cacá, que eu ajudei no roteiro, aí eu tremi, fiquei assustado. Comecei a achar que ficaria muito exposto, minha família também não queria isso. Pouco tempo depois, toca meu telefone, era o Eduardo Coutinho. “Paulo, quero ser seu amigo”. Aí eu entendi o que estava acontecendo.
Fórum  Quanto tempo você demorou para escrever?
Lins  Foram dez anos envolvido com o livro. Parei muitas vezes. Todo fim de relacionamento eu parava, arrumava um novo amor e continuava, nasce filho eu paro, enfim, fiquei dez anos.
Fórum  A migração para o cinema se deu em que momento?
Lins  Não foi o Fernando Meirelles quem me procurou, foi o Heitor Dália. Lembro que ele foi em casa no dia em que o Tim Maia morreu, e eu num puta baixa astral, indo para um churrasco na casa de um amigo. Bom, aí vendi, mas não estava muito empolgado com esse negócio de cinema nacional, já estávamos na retomada, mas não me empolgava.
Fórum  Você estava em Cannes, quando o filme passou lá?
Lins  Não, fui para o Oscar, me arrumaram um convite.
Fórum  E aí?
Paulo Lins  Ah, aquelas atrizes lindas, bebida de graça, estava bom, né? Mas eu não peguei ninguém, hein! [risos]
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.5 Brazil License.