Blog comprometido com as mais diversas lutas sociais do planeta, particularmente, o que diz respeito a luta pelo socialismo, a ampliação do uso dos software livre Gnu/Linux na busca pela expansão de nossa inteligência coletiva e da cultura livre, além da batalha pela melhoria das condições de vida da população brasileira, sobretudo, do povo negro.

domingo, 15 de novembro de 2015

Realistas e Fundamentalistas (1994)

Fonte: http://obeco.planetaclix.pt/rkurz56.htm

de Robert Kurz


De regresso ao século XVII: a auto-ilusão ideológica       do Ocidente

Na imagem que faz de si mesmo, o Ocidente é um mundo “livre”, democrático e racional, ou seja, o melhor dos mundos possíveis. Do seu ponto de vista, esse mundo é pragmático e aberto, sem pretensões utópicas ou totalitárias. Cada um deve “ser feliz segundo seu próprio modo de ser”, de acordo com a promessa de tolerância feita pelo Iluminismo europeu. Os representantes desse mundo se dizem realistas. Afirmam que suas instituições, seu pensamento e sua ação encontram-se em harmonia com as “leis naturais” da sociedade, com a “realidade” atual. O socialismo, pelo que ouvimos, desmoronou porque era “irrealista”. Junto com o socialismo, foi definitivamente enterrada toda utopia de uma mudança fundamental da sociedade. E os antigos críticos do way of life ocidental agora se acotovelam nas bilheterias do “realismo” para comprarem a tempo seu ingresso na economia de mercado globalizada.
Esse idílio da tolerância e da democracia econômica mundial, no entanto, produziu um novo inimigo. Com a morte do socialismo, entrou em cena o fundamentalismo religioso. O fundamentalismo é feio, muito mais feio do que o socialismo jamais poderia sê-lo. Aos olhos dos ideólogos ocidentais, ele possui feições árabes muito acentuadas. Nos últimos anos, o Pentágono começou a conceber o fundamentalismo islâmico como um substituto para o papel de inimigo histórico. Como nos tempos da Guerra Fria, são subvencionadas na nova constelação mundial todas as forças políticas que se declaram contra o fundamentalismo e a favor do Ocidente, por mais corruptos e cruéis que sejam os regimes à frente de tais forças. Mas o novo cálculo estratégico com que os especialistas ocidentais procuram justificar sua existência insiste em deixar resto. Ao contrário do socialismo, o fundamentalismo não é mais um adversário racional, politicamente definido e previsível em suas ações. Além de não possuir um centro de atividades nitidamente localizável no mundo, ele também não se restringe apenas ao islamismo. Em muitas regiões da África não-muçulmana e em toda a América Latina, seitas fundamentalistas cristãs assumiram nos últimos anos o lugar antes ocupado pelos movimentos socialistas.
A mesma ilusão social do fundamentalismo religioso floresce também nos próprios centros econômicos ocidentais. Foi um choque para os Estados Unidos descobrirem que os responsáveis pelo devastador atentado a bomba em Oklahoma City não eram terroristas islâmicos e estrangeiros, mas sim cidadãos brancos e norte-americanos, adeptos de uma facção ideológica cristã. E quem poderia imaginar que num país como o Japão, considerado o aluno exemplar do sucesso econômico, um movimento radical que prega o final dos tempos, o Aum Shinrikyo comandado por Shoko Asahara, pudesse influenciar tantas pessoas e até aliciar adeptos no Exército japonês?
Os fanáticos religiosos tomam a ofensiva por toda parte. De onde eles vêm? Com certeza não de outros planetas. Vêm justamente do interior do próprio mundo dominado pela economia de mercado. O “realismo” neoliberal, na verdade, conhece muito mal as pessoas. Ninguém mais pode negar que no mundo do liberalismo econômico a miséria social se alastra como um incêndio de vastas proporções. Não apenas no Brasil, mas também em todo o mundo a liberdade e tolerância ocidentais dão provas de um cinismo próprio à “democracia do apartheid”, como bem a denominou Jurandir Freire Costa (Universidade do Rio). Ao mesmo tempo, não é apenas nas favelas que os vínculos sociais são rompidos, mas em todas as classes sociais. Tanto o efetivo processo econômico quanto a ideologia neoliberal tendem a dissolver as relações humanas na economia. O economista norte-americano Gary S. Becker foi laureado, em 1992, com o Prêmio Nobel por desenvolver a hipótese de que todo comportamento humano (até mesmo o amor) é orientado pela relação custo-benefício e pode ser representado matematicamente.
Os “realistas” não têm resposta para a miséria social nem para a miséria das relações e sentimentos humanos num mundo inteiramente racionalizado pela economia; eles apenas encolhem os ombros e passam à ordem do dia imposta pelo mercado. Mas a miséria não pode permanecer calada, tem de encontrar sua própria linguagem. Como porém a linguagem racional do socialismo está morta, o irracionalismo da linguagem religiosa faz seu retorno a uma sociedade confusa  só que agora com uma gramática muito mais selvagem e funesta. O neoliberalismo económico clama “economia de mercado” e faz-se ouvir o eco pseudo-religioso “fim do mundo”. Agora se tornou evidente que o socialismo não era apenas uma ideologia, mas também uma espécie de filtro ético sem o qual a civilização moderna é totalmente incapaz de existir. Privada desse filtro, a economia de mercado sufoca em sua própria imundície, que deixou de ser digerida institucionalmente.
Ao longo de quase 150 anos, até a década de 70 deste século, todo surto de modernização econômica desencadeava simultaneamente uma reação revolucionária da juventude intelectual. A solidariedade aos “fracos e oprimidos” foi sempre um forte impulso à oposição e à crítica radical, inclusive entre a “juventude dourada” das classes mais altas da sociedade. Após a vitória global do mercado, esse impulso extinguiu-se. Os “golden boys e as “golden girls” da era neoliberal querem apenas jogar na Bolsa. A juventude da classe média, numa atitude narcisista, está desmoralizada e deixou de lado o trabalho intelectual. Seu espírito capitulou diante do mercado globalizado. Seja no Egito ou na Argélia, no Brasil ou na Índia, jovens ocidentalizados sonham em ganhar dinheiro como engenheiros ou médicos, jogadores de futebol ou corredores de atletismo; não se sentem mais responsáveis pela miséria social.
E também no Ocidente a classe média mergulha no cinismo social. Na Alemanha, entre certos jovens que conduzem carros de luxo, tornou-se chic um autocolante com os dizeres: “A  sua pobreza desgosta-me” Os intelectuais estetizam a miséria e a exploram comercialmente; os sofrimentos daqueles que passam fome são transformados em publicidade. O temperamento ditado pela lógica do mercado chegou mesmo a criar um “culto à maldade”. Em seu livro sobre o “Renascimento do Mal”, o sociólogo alemão Alexander Schuller afirma: “Não é mais o progresso e a razão que povoam nosso cotidiano e nossa fantasia, mas sim o mal. Desde a queda do socialismo, é possível verificar um aumento empírico da crueldade, e por toda parte impera uma maldade incompreensível”. Mas, se a própria juventude da classe média está moralmente perdida, a base moral para que os filhos dos pobres compreendam sua miséria é ainda mais problemática. Numa pesquisa realizada em Moscou com menores de 14 anos, a maioria dos meninos respondeu que sua “profissão de sonho” é ser “mafioso”, e as meninas, “prostituta”.
O fundamentalismo não supera esse estado de desmoralização, mas apenas lhe dá uma expressão irracional. Quando essa regressão pseudo-religiosa se apodera do último resíduo de uma esperança perdida, deixada pendente e arquivada pela história, a vontade de mudança torna-se o pálido desejo de ser deixado em paz pela economia de mercado, encontrar o caminho de regressso a uma ordem social descansada, e poder se sentar em frente da porta, sem ter de pensar no dia seguinte. O fundamentalismo, porém, não possui um programa de emancipação social, mas apenas um projeto ideológico de pura agressão, resultado aliás do próprio fracasso da emancipação. Todo o seu programa esgota-se num ímpeto agressivo com roupagem religiosa, como na expressão dos jovens favelados de Paris: “J'ai la haine”  tenho ódio. As novas religiões do ódio, sejam elas de origem islâmica ou cristã, são todas de natureza sintética, arbitrária e eclética. Todas têm apenas o nome em comum com as autênticas tradições religiosas a que se remetem. São um subproduto da modernidade decadente das sociedades de mercado ocidentais ou ocidentalizadas. Pelo próprio fato de não oferecerem uma perspectiva histórica, tornam-se uma atraente alternativa de carreira para pequenos e grandes “líderes” que se valem do ressentimento generalizado.
Os representantes da sociedade oficial e os ideólogos do neoliberalismo reagem a essa evolução tentando aliar a lógica de mercado às “virtudes conservadoras”. Os homens devem ser ao mesmo tempo egoístas e altruístas, implacáveis na concorrência e humildes perante Deus, minuciosos no cálculo abstrato de custos e benefícios e ao mesmo tempo moralmente imaculados. Com essa esquizofrenia ética e pedagógica, o pensamento dos próprios “realistas” da economia de mercado transforma-se na mentira dos fundamentalistas: não há como diferenciar uma ideologia da outra. E isso não admira, pois o pano de fundo do fundamentalismo é constituído não apenas pela pobreza, mas também pelo medo da classe média com relação aos pobres. A ilusão pseudo-religiosa constrói seu ninho tanto nas cabeças dos pobres quanto na dos ricos. E a militância social da classe média, sob o disfarce de religião, não é menos poderosa do que a loucura dos pobres. Em seu ensaio “Visões da Guerra Civil”, o escritor alemão Hans Magnus Enzensberger caracteriza essa tendência das “sociedades respeitáveis”: “Cidadãos discretos transformam-se da noite para o dia em hooligans, incendiários, fanáticos raivosos, serial killers e franco-atiradores”.
O fundamentalismo é “realista” e o “realismo” é fundamentalista. Ambos possuem a mesma estrutura ideológica. Ambos falam, como se sabe, do “fim da história”, só que a escatologia do mercado acredita que esse fim já foi alcançado. E ambos se movem nos mesmos meios: os empresários, assim como os pregadores supostamente iluminados, são ávidos por dinheiro e ainda, como os políticos, são ávidos por aparecer na televisão, tal como os “Estados teocráticos” são ávidos pela bomba atómica. Tudo mídias do Ocidente. Os falsos profetas não têm qualquer ideia de uma sociedade diferente; pode se lhes aplicar a idéia formulada pelo sociólogo canadense Marshall McLuhan nos anos sessenta: “O meio é a mensagem”.
Por outro lado, não se pode negar o caráter quase religioso do “realismo econômico. Pois não vimos o presidente George Bush, a exemplo de seu adversário islâmico Saddam Hussein, enviar à frente de batalha o Deus de uma religião militante? E isso não é apenas um simples detalhe. A racionalidade do mercado tem origem religiosa; ela só é racional na medida em que um sistema irracional fechado sobre si mesmo cria sua racionalidade interna. O resultado da história moderna – o mercado total – é o resultado de uma religião secularizada que ganhou forma no protestantismo. Os Estados Unidos, a última potência mundial do mercado mundial, estão impregnados do fundamentalismo calvinista que considera o “fazer dinheiro” um fim em si mesmo. A tolerância ocidental é somente uma forma particularmente pérfida de intolerância, pois o deus do mercado não admite nenhum outro deus além de si mesmo e tolera apenas aquilo que se submete incondicionalmente a seus métodos.
O fim da história é o retorno da história. O início da modernização econômica foi marcado pelas guerras religiosas do século 17. Essa época foi substituída pelo absolutismo, com sua estrutura estatal e mercantilista. Somente no século 19 nasceu o liberalismo do livre mercado. Mas como definir o século 20? Sob o aspecto formal, ele transformou o mercado numa totalidade perfeita, mas não sem provocar crises avassaladoras. Este é o século em que a história começou a voltar-se para o passado. As economias estatais das duas guerras mundiais, o socialismo estatal tanto do Oriente quanto do hemisfério sul e também o keynesianismo do Ocidente (com seus rudimentos de economia estatal) podem ser compreendidos de certa maneira como um regresso à era mercantilista. Hoje, após o colapso de todas as variantes da economia de Estado moderna, o neoliberalismo promete uma nova Era de Ouro para o livre mercado. Mas, se é verdade que a história voltou-se realmente para o passado, uma era totalmente diferente nos acena do futuro. O cientista político norte-americano Samuel P. Huntington diz mais do que imagina ao propor a hipótese de que a época dos conflitos entre ideologias e Estados nacionais será substituída por um “conflito de civilizações”. Qual o significado disso, senão que o processo de modernização econômica – antes de ser definitivamente sugado pelo buraco negro da história – retornará à era da militância religiosa e da Guerra dos 30 Anos?
O neoliberalismo será irremediavelmente arrastado por essa tendência porque sua própria “utopia negra” do mercado total possui um germe de religião totalitária. O socialismo, ao contrário, não se baseava apenas na economia estatal, mas também na idéia de uma sociedade solidária, que sanciona suas próprias leis em vez de seguir princípios irracionais. Se não quisermos que o século 21 se torne uma nova época de guerras religiosas, devemos reformular o socialismo num registro não mais dominado pela economia de Estado. Somente desse modo será possível dar uma nova abertura à história.
Original Realisten und Fundamentalisten in www.exit-online.org. Publicado em Neues Deutschland de 11/12.06.1994. Publicado na Folha de São Paulo de 05.11.1995 com o título A síndrome do obscurantismo e tradução de José Marcos Macedo  
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.5 Brazil License.