Blog comprometido com as mais diversas lutas sociais do planeta, particularmente, o que diz respeito a luta pelo socialismo, a ampliação do uso dos software livre Gnu/Linux na busca pela expansão de nossa inteligência coletiva e da cultura livre, além da batalha pela melhoria das condições de vida da população brasileira, sobretudo, do povo negro.

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Três mil mulheres negras do RJ marcham contra o racismo, a violência e pelo bem viver

A Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-Rio), do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro (SJPMRJ) convida para coletiva de imprensa com as organizadoras da Marcha das Mulheres Negras 2015 no dia 09/11. A entrevista será concedida na sede do sindicato, Rua Evaristo da Veiga, 17º andar, no auditório, às 17h.
Cerca de 3 mil mulheres negras do estado do Rio de Janeiro vão marchar contra o racismo, a violência e pelo bem viver, em Brasília, dia 18 de novembro. Sairão cerca de 20 ônibus de todas as regiões do estado, em direção à capital federal. O evento reunirá mais de 20 mil ativistas nacionais e estrangeiras, em uma grande caminhada, na Esplanada dos Ministérios.
Do Rio, partem 23 ônibus com mulheres de Niterói, Cabo Frio, São Gonçalo, Resende, Duque de Caxias, Volta Redonda, Guapimirim, Magé, Petrópolis, Nova Iguaçu, Mesquita, Queimados, Belford Roxo, São João de Meriti, além de Miracema, Campos dos Goytacazes e Itaboraí.
Na capital federal, elas vão se juntar às principais referências do movimento no país e ativistas internacionais, como as americanas Ângela Davis e Bell Hooks. Serão recebidas no Senado e na Câmara dos Deputados e têm audiência com a presidenta Dilma Rousseff. A diretora-executiva da ONU Mulheres, a sul-africana Phumzile Mlambo-Ngcuk também confirmou presença.
Partem do Rio de Janeiro também homenagens à atriz Ruth de Souza, à Mãe Meninazinha de Oxum, descendente da alta linhagem do candomblé na Bahia e responsável por um terreiro em São João de Meriti, à Mãe Beata, que, além de estar a frente de um axé em Nova Iguaçu é escritora, e às Mães de Acari – como ficaram conhecidas as mães das vítimas da chacina.
Representando cerca de 25% da população brasileira (mulheres pretas + pardas), segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as mulheres negras vão marchar pela garantia de direitos conquistados, pelo direito à vida e à liberdade, por um país justo e democrático e por um modelo de desenvolvimento baseado na valorização dos saberes da cultura afro-brasileira.
Tudo já foi pautado e reivindicado. A marcha tem caráter declaratório, de reafirmação de nossas necessidades, de nossos pleitos e de urgência nas ações políticas e sociais que efetivamente atendam às mulheres negras do país”, explica uma das organizadoras, a professora e escritora Ana Gomes, do Fórum de Mulheres Negras do Estado do Rio de Janeiro.
A Marcha das Mulheres Negras 2015 acontece no âmbito da Década Internacional dos Afrodescendentes 2015-2024, declarada pela ONU e no mês da Consciência Negra.

Serviço:
Evento: Coletiva de Imprensa:
Data: 09/11 às 17h
Local: SJPMRJ/Rua Evaristo da Veiga, 17ª andar/Auditório.

Informações para imprensa:
Ana Gomes 98277-8390 e Clátia Regina Vieira 97272-7831

Assessoria de imprensa:
Cojira-Rio: 3906-2450
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.5 Brazil License.